terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Das coisas que aprendi em 2011

Concordo que a vida é um eterno aprendizado e que fim de ano merece uma retrospectiva, então ao invés de me ater a acontecimentos, sejam bons ou ruins, minha retrô será sobre as lições que a vida me deu em 2011.

Aprendi que a vida sempre quer nos mostrar algo, e que as vezes ela grita pra chamar nossa atençao.
Que nosso corpo precisa de descanso pra não adoecer.
Aprendi que bom senso é fundamental, sempre.
Que não importa qual seja a verdade, as pessoas acreditam no que lhes convém. 
Aprendi que quem tem atitude não precisa se preocupar com falácias, nunca.
Que é prudente dizer o que se quer, mas pra pessoa certa, no momento certo e na presença de testemunhas.
Aprendi que pra se safar há pessoas capazes de qualquer coisa, qualquer mentira, um absurdo qualquer.
Que a vida vai se encarregar disso, impreterivelmente, de uma forma ou outra.
Aprendi que leveza é essencial. Que simpatia é legal, que respeito é primordial.
Aprendi que quem se esforça, consegue.
Que dedicação compensa, e muito.
Aprendi que a opinião mais importante a meu respeito é a minha.
Que conceitos alheios não mudam em nada minha vida.
Aprendi que preciso me cobrar menos e relaxar mais.
Que meus filhos não compreendem o sentido das palavras cansaço e ocupação, minha atenção é exigência máxima. (Aprendi que eles estão certos, certíssimos)
Aprendi que sou humana, comum, que acerto e que erro.
Que o importante mesmo é que eu tento.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

"Descobri coisas deliciosas a meu respeito, como por exemplo, uma pessoa superficial e de mentira jamais aguentaria ficar perto de mim.”


sábado, 10 de dezembro de 2011

Dê a Preferência





Eu voltava de uma reunião, quando, após circular uma rotatória, fui surpreendida por um veículo que ignorou a preferência e se colocou à minha frente. Eu poderia ter continuado, ter gritado, xingado, podia cercá-lo e impedir sua passagem, enfim poderia ter feito uma das daquelas cenas rotineiras que assistimos no trânsito. 
Mas eu não adotei essas atitudes, simplesmente dei a preferência, embora ela fosse inquestionavelmente minha.

Continuei meu trajeto refletindo sobre as inúmeras situações da vida em que "dar a preferência" é uma ótima alternativa, uma maneira sutil de trazer mais leveza à nossa vida.

Dê a preferência às pessoas que realmente importam.  Não vamos permitir que o trabalho, os estudos, os compromissos com terceiros passem à frente daqueles que nos são essenciais.

Dê a preferência ao amor, a gentileza, a simpatia. Mesmo em situações delicadas, podemos cultivar essas virtudes e sem dúvida, seremos os maiores beneficiados.

Dê a preferência aos  valores. Futilidade anda totalmente fora de moda.

Dê a preferência a compreensão, a calma e ao perdão. Não deixe o desequilíbrio emocional ser a placa de sinalização pela qual és conhecido.

Dê preferência a alegria, a tristeza pode esperar.

Dê a preferência a autenticidade, não vale a pena pegar o atalho das aparências, ele leva a lugar nenhum.

Dê a preferência ao que há de bom na vida, o que for ruim, definitivamente deixe fora do seu caminho!!!




sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lições de Humildade

Eu penso que um dos atributos de que tem gosto pela leitura é compartilhar as coisas boas que lê pelo caminho. Seja citando um livro, trecho dele, um texto. Eu tenho esse hábito, gosto de "passar a diante" leituras de qualidade. Sendo assim, transcrevo abaixo um texto excelente sobre uma virtude que muitos pensam ser defeito, a humildade.


Ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter. Romanos 12:3


Marian Anderson, grande contralto, mundialmente aclamada, era uma pessoa simples. Apesar de sua fama, permaneceu como exemplo de humildade para todos. Em uma entrevista, o repórter perguntou para ela qual foi o grande momento de sua vida. Ela poderia ter mencionado a noite em que o maestro Arturo Toscanini anunciou: “Uma voz como esta aparece uma vez em cada século.” Ela se tornou delegada da ONU, cantou para a rainha da Inglaterra e foi condecorada com a cobiçada Medalha Presidencial da Liberdade.



Qual desses momentos ela escolheu? Nenhum deles. Marian Anderson disse ao repórter que o maior momento da vida dela havia sido o dia em que chegou em casa e disse à sua mãe que ela não mais precisaria lavar roupa.



Faz parte da humildade saber sua importância pessoal e se manter no seu lugar. Faz parte também uma avaliação sincera de você mesmo e de suas capacidades. Não significa se vestir de saco e cinza com falsa modéstia. A humildade também não está ligada à fraqueza, como muitos pensam. Também não tem que ver com permitir que tirem vantagem de nós. Nem tampouco se tornar capacho na família, no trabalho e dos amigos, ou aceitar mansamente os revezes.



Humildade é uma palavra que quase desapareceu do nosso vocabulário e senso comum. Parece que foi distorcido aquilo que admitíamos ser um atributo desejável de caráter.



Como ter um conceito equilibrado de mim mesmo? Paulo tem a resposta: “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; e, sendo encontrado em forma humana humilhou-Se a Si mesmo” (Fp 2:5, 6, 8).



Quando você tem um conceito de si mesmo “mais elevado do que deve ter”, não pensa em coisas como pedir desculpas, admitir erros, mudar de rumo ou se submeter à orientação de outro.



Como demonstrar humildade? Apresentando-me a tempo para os compromissos e honrando promessas. Mantendo a atitude de um eterno aprendiz, mesmo diante das coisas que já sei. Escutando mais do que falando. Expressando gratidão a Deus por Ele Se relacionar comigo.



A versão de Phillips traduz o texto de hoje assim: “Não acalentem ideias exageradas sobre si mesmos ou acerca de sua própria importância, mas procurem fazer juízo correto de suas capacidades à luz da fé que Deus lhes deu” (Rm 12:3).



sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Festas e Projetos

E, assustadoramente rápido, chega Dezembro. O ano se passou como um passe de mágica. Um estalar de dedos e aí está o mês das festas e dos projetos.

Tempo de Natal, de ruas iluminadas, árvores enfeitadas, musiquinhas tradicionais. Mês de gastos, enfeites, presentes, viagens, comilança.

 Dezembro é mês de agitação, aquela correria desenfreada pra cumprir os últimos compromissos profissionais, pintar a casa, trocar a mobília, comprar roupas novas, escolher o presente do amigo oculto.

Em dezembro a gente revê os parentes, liga pros amigos que não vimos o ano inteiro, manda cartões, faz visitas.

Não resta dúvida, é mês de festa. De alegria, de boas expectativas, de agradecimento, de leveza. Por outro lado, para os sensatos, dezembro também é mês de projetos.

Sim, porque nada na vida acontece como nos contos de fada. Quem dera usar o "pirlimpimpim" nos levasse a algum lugar. Temos que caminhar e antes, temos que saber qual o caminho.

Dezembro é mês de análise critíca pessoal. Olhar para dentro, congratular-se pelas vitórias e procurar pelas falhas. É hora de colocar no papel o que se pretende no ano vindouro. Definir objetivos, traçar metas, estabelecer estratégias.

Festejar sim, muito, mas planejar também. Festejar pela vida, pelo sucesso do ano presente, pela família, pelos amigos, por tanta coisa boa e linda que a vida nos oferece a cada instante.

 E planejar, porque o ano novo nos aguarda e somos nós que temos que correr atrás dos nossos sonhos. É tarefa pessoal. O primeiro passo, pode acreditar é ter um projeto de vida. Porque a gente só vence quando sabe onde fica a linha de chegada.
"O que me vale é que tenho uma alma muito bem-disposta, todos temos, ela sempre dá um jeito de me fazer encarar as lições. Apronta mestres. Improvisa material didático. Reinventa métodos. Brinca com a minha ilusória fuga. Aguarda-me nas salas de aula porque sabe que, no fim das contas, eu apareço.   Aguarda-me porque sabe que tantas vezes preguiçosa por ter tanto pra aprender, tanto pra curar, tanto pra transformar, no fundo, continuo interessadíssima em crescer." by Ana Jacomo

terça-feira, 29 de novembro de 2011

"Simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera." Martha Medeiros





segunda-feira, 28 de novembro de 2011

"Me alegro com as coisas simples da vida...sorrio das pequenas nuances do humor...me emociono com os menores gestos de delicadeza e solidariedade...talvez porque eu veja a vida pela ótica minimalista de apreciar os detalhes."

Aurélia Vasconcelo

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Onde você quer chegar??

Do livro "Alice no País das Maravilhas" (Lewis Carroll)

 
O Gato apenas sorriu quando viu Alice. Parecia de boa índole, ela pensou,
 mas não deixava de ter garras muito longas e um número respeitável de dentes,
 por isso ela sentiu que devia ser tratado com respeito.

"Gatinho de Cheshire" começou um pouco tímida, pois não sabia se ele gostaria do nome,
 mas ele abriu mais o sorriso. "Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para
 sair daqui?"

"Isso depende bastante de onde você quer chegar", disse o Gato.

"O lugar não me importa muito...", disse Alice.

"Então não importa que caminho você vai tomar", disse o Gato.

"... desde que eu chegue a algum lugar", acrescentou Alice em forma de explicação.

"Oh, você vai certamente chegar a algum lugar", disse o Gato, "se caminhar bastante".


É imprescindível saber onde se quer chegar, senão o caminho se torna longo, incerto e por fim, desanimador.O primeiro passo da viagem é escolher o destino, depois tomamos as providências para chegar até lá. Na viagem da vida é exatamente assim: defina sua meta e então percorra o caminho necessário para alcançar a linha de chegada.
Afinal, se você não tem direção , qualquer caminho serve. E você pode ser levado para um "ponto turistíco" que não lhe trará satisfação.


 


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

        "Não danço a valsa da vida com as pernas engessadas, surpreendo a mim e aos outros..."


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

É feriado bebê

Tanto o corpo quanto a mente precisam de intervalos para relaxar. Nada melhor que um feriado para recarregar nossas baterias. Como tenho o hábito do planejamento em minha vida, o utilizo até mesmo para os dias de descanso. Nem sempre podemos nos dar ao luxo de simplesmente não fazer nada,  mas quando o feriado é prolongado dá para aproveitá-lo bem.

Para esse eu selecionei algumas atividades. Almoço em família: pais, irmãs, sobrinhos e primos no apto, comida maravilhosa e muita conversa fiada. Livros : comprei 3 e os estou degustando prazeirosamente. Hoje fizemos um passeio delicioso ao ar livre: Flora, fauna , comida mineira e atrativos variados para a criançada. Amanhã dia com amigos em Lagoa Santa.

Acho que esse conjunto é propício para relaxar a mente e a alma, é saciar variadas necessidades de nosso organismo, é apreciar as maravilhas que nos cercam. É lembrar que apesar da correria que a vida nos impõe, sempre podemos tirar um tempinho para o que há de melhor, nós mesmos e nossos queridos!!!












sábado, 5 de novembro de 2011

Bonito é ser Você

Li uma citação hoje no face de uma amiga-irmã, uma pessoinha mais que especial, com um coração enorme e com uma visão realista de vida. Acho que somos muito parecidas na forma como encaramos a realidade, o próximo e o cotidiano. Isso nos fez mais que amigas, somos meio irmãs né Mônica Lage??!! 

Quando citamos algo estamos compartilhando o pensamento de alguém, mas é preciso ter muita sensibilidade para captar o belo e passá-lo adiante. Compartilho com vocês a citação que rendeu esse post:

Bonito são as coisas vindas do interior, as palavras simples, sinceras e significativas. Bonito é o sorriso que vem de dentro, do brilho dos olhos. Bonito é chorar quando se tem vontade e deixar que as lágrimas rolem sem medo da crítica. Bonito é gostar da vida e viver do sonho, é ser realista sem ser cruel. Bonito é agente continuar sendo gente, em qualquer situação, bonito é voce ser VOCE! Letícia Thompson

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Meu Assunto do Momento

Depois de 5 anos me dedicando ao estudo do ordenamento jurídico, 1 ano de especialização e 06 meses cursando uma disciplina isolada no mestrado e dois anos me dedicando ao meu escritório, resolvi me aventurar em um novo curso de graduação: Administração de Empresas. As pessoas me dizem "nossa como você é animada" ou então "por que isso? está insatisfeita com a advocacia??"

Absolutamente, amo o Direito, me identifico com a advocacia e a cada dia tenho mais certeza de que fiz o curso certo. Animada eu sou mesmo, pra tudo! Mas não se trata disso, o que ocorre é que eu acredito veemente naquele jargão "conhecimento nunca é demais" De fato, não é mesmo.

 Além das questões profissionais, já que tenho uma empresa e presto consultoria para outras, portanto o curso só vai me acrescentar, é muito gostoso  passear em um ambiente novo.

São novas leituras, novos olhares, novas perspectivas , novas ideias. Quando nos dedicamos ao estudo, novas janelas se abrem diante de nós e, sem dúvida agregamos valores e conhecimento. 

Estou encantada com as descobertas que tenho feito no curso de Administração, aliás, o curso traz diretrizes que se aplicam em diferentes setores de nossa vida. 

Ando muito satisfeita em lidar de perto com a arte de empreender e administrar.É o meu assunto do  momento. 

Fim de Ano

E o fim de 2011 está as portas!! Coisa agradável é chegar ao final do ano e perceber que aqueles objetivos traçados lá no comecinho foram alcançados. É gratificante e proporciona uma enorme paz de espírito.

Tanto a agradecer: pela constante proteção Divina, pela unidade familiar, pelas realizações profissionais, pelos projetos cumpridos satisfatoriamente. Para alguns fim de ano é período de reflexão, para mim é de agradecimento. Deus tem me abençoado ricamente em todos os setores, o que mais posso querer?? 

Fim de ano é curtir aquele gostinho saboroso de vitória. Vitória sobre os problemas que pintaram mas a gente tirou de letra. Vitória sobre o cansaço, que apareceu mas não foi capaz de nos fazer parar. Vitória sobre a rotina que até tenta mas não se instala em nossa vida. 

Fim de ano também é momento de planejamento. Pessoas realizadas sabem a importância do planejamento em suas vidas. Nada acontece como num passe de mágica. É preciso criar projetos e, durante o ano, correr atrás de realizá-los. Tenho aprendido que funciona e muito!! 

Fim de ano é só alegria. As pessoas são tomadas pelo espírito de paz, amor , benevolência. Aumentam-se os sorrisos, multiplica-se a gentileza. 

É por essas e outras que eu gosto tanto desse período, tenho a impressão que os dias são ainda mais doces e o mundo todo fica mais leve.


segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Gente que se supera

Chegamos ao fim do Pan Guadalajara 2011. O Brasil ocupou muitas vezes o pódio, em diversas modalidades. Tivemos cenas felizes, surpresas, e também tristezas como o acidente com a jogadora de vôley Jaqueline e a queda de ginastas, sem falar na decepção do futebol masculino. Vimos o ouro escapar da mão de favoritos, como no futebol feminimo e no salto com vara. Choro é o que não faltou nessas competições, como aquele do patinador Marcel Sturmer, que apesar do furto de seu equipamento, consegiu ser o melhor. Choro doído da jogadora de futebol que apesar de perder o pai decidiu permanecer na competição.
Entre cenas e cenas há uma que merece destaque. Para mim, o maior exemplo desse Pan é de Solonei Silva, um ex lixeiro, que decidiu virar atleta e ganhou a medalha de ouro para o Brasil na maratona masculina. Esse homem merece nossa atenção.
Fico imaginando quantas pessoas se sentiram estimuladas a correr atras de  sonhos depois que Solonei mostrou que realizá-los independe de posição social, de sorte, de obstáculos. Para mim, ele é um extraordinário exemplo de superação, garra, determinação e senso de capacidade.
Eu imagino que entre os nossos atletas há muitas histórias de superação, mas eu me apaixonei por essa pelo simples fato de que eu tenho verdadeira admiração por gente que contrariando todas as expectativas, vai lá e faz acontecer!!


                                     

sábado, 29 de outubro de 2011

Nossa delícia de vida

Hoje, meu marido, eu e as crianças nos deparamos com uma dúvida cruel: sair ou nos curtimos em casa?? Cada um deu seu parecer e utilizou seus argumentos. Gabi queria sair pra comer coisa gostosa. Beto queria sair porque estava muito quente. Eu até queria sair, mas também estava com uma vontade tremenda de curtir meu sofá e Lucca optou por ficar em casa porque podia curtir a família e também o computador.
Fizemos as devidas análises sobre a questão e... fizemos coisas gostosas pra comer aqui mesmo, ligamos o ventilador na sala, colocamos um filme e curtimos juntos o nosso sofá. Conversamos, sorrimos, comemos tira gosto de primeira, demos umas fugidinhas ao pc e estamos indo dormir com aquela sensação de que definitivamente a família é a instituiçao mais sagrada que existe e o que mais nos faz feliz!!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Feliz por Nada

O livro que estou lendo essa semana está em 1º lugar (não ficção) na lista dos mais vendidos, apresentada pela revista Veja. É obra da escritora Marta Medeiros e se entitula "Feliz por Nada".
Nem é preciso comentar sobre a excelência do livro, já que a autora supra citada, a meu ver, é perfeita em tudo que escreve. Vou transcrever aqui um trecho do livro com o qual me identifiquei muito, justamente porque eu tenho o defeito ali apontado, sou gentil demais.
Já passei por situações chatas e até já me prejudiquei por esse excesso de gentileza. Mas a vida é isso, um eterno aprendizado e o bom é que a arte de tirar lições proveitosas de tudo que passo, essa eu possuo!!

Gentil demais
Recebi um livro chamado A arte de ser gentil, com o dispensável subtítulo A bondade como chave para o sucesso, que, a meu ver, descredibiliza um pouco o autor, o sueco Stefan Einhorn, já que ser gentil deveria ser uma atitude para facilitar as relações humanas, e não uma meta para o sucesso. Que sucesso, o quê. Agora tudo o que a gente faz tem que visar o sucesso?
O texto da contracapa diz que uma pessoa gentil terá mais oportunidades de se tornar feliz, rica, bem-sucedida e realizada, e que o livro fornecerá soluções imediatas e de longo prazo para os interessados em se tornarem seres humanos melhores. Foi tudo que li até agora, a contracapa, e não vou adiante. Primeiro, porque tenho uma pilha de outros livros me aguardando, e em segundo lugar, porque já sou gentil. Nem sabia que sendo gentil eu poderia ficar rica, feliz, bemsucedida e essa coisa toda. Sou gentil simplesmente porque acho mais fácil do que ser grosseira. Despende menos energia. E também porque não vejo graça em magoar as pessoas. Até aí, estou no padrão. O que ninguém nos ensina é que gentileza demais pode, por incrível que pareça, também ser um defeito, e dos graves.
Óbvio que não se deve ser rude com amigos, parentes, colegas de trabalho, vizinhos, comerciários, mas ser exageradamente gentil com todo mundo pode colocar a nossa vida em risco. Por exemplo: o que você faz se, ao chamar o elevador de um prédio estranho, à noite, a porta se abrir e lá dentro estiver um sósia do Curinga, com uma cicatriz perturbadora na face e vestindo um sobretudo enorme que poderia muito bem esconder duas pistolas, três granadas e um rifle? Você certamente teria uma vontade súbita de descer pela escada e sumiria de vista. Pois eu entraria no elevador toda faceira, daria boa noite e faria comentários sobre o clima, pois deus que me livre de ele achar que eu sou preconceituosa e que sua aparência me fez pensar que ele pudesse ser um esquartejador de mulheres. Por que ele não pode ser um pai de família como outro qualquer?
Se eu pego um táxi e o motorista demonstra não ter o menor senso de direção, arranha marchas, não usa o piscapisca e tira um fino dos outros carros, eu é que não vou mandá-lo de volta para a autoescola. Se ele correr a 200km/h, tampouco solto os cachorros, vá saber o dia horroroso que ele está descontando no acelerador, coitado. Neste caso eu simplesmente “me lembro” de que o endereço onde pretendo ir fica na próxima esquina, e não três bairros adiante, e saio pedindo desculpas pelo meu equívoco.
Se um garçom se aproximar perigosamente de mim com uma panela cheia de óleo fervente, eu não dou um pio, imagina se vou pedir para ele se afastar. Ele vai me considerar uma elitista estúpida – não basta ter pedido um fondue caríssimo, ainda vou ser grossa? Nada disso, uma queimadura no braço não mata ninguém. E se eu estou caminhando por uma rua escura e, na direção contrária, vem um adolescente com um gorro enterrado até o nariz e as duas mãos enfiadas numa jaqueta, eu começo a rezar, mas não troco de calçada, imagina o trauma que posso causar no menino: vai ver é até um amigo da minha filha.
Se você tem mais de nove anos de idade, já sabe reconhecer uma ironia e entendeu meu recado: seja gentil, mas não a ponto de perder o tino. Se tiver que ferir suscetibilidades para salvar sua pele, paciência. Atravesse a rua. Desça pela escada. Dê no pé. Sucesso é chegar em casa com vida.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Leveza

A vida está AQUELA correria. São mil compromissos em diferentes setores. Responsabilidaes com minha familia, compromissos profissionais, atividades na igreja, compromissos relacionados ao meu novo curso de graduaçao, enfim, vida dinâmica é assim, a gente não para.

Ainda assim eu não abro mão de ler algo novo e que fuja ao estilo profissional que já me obriga horas de leitura.  No momento,optei por um livro da jornalista Leila Ferreira que trabalha a ideia de leveza, ainda que vivamos nesse mundo frenético. A autora chama atenção para a necessidade que temos de resgatar sentimentos e atitudes simples que com o passar do tempo foram sendo esquecidas, como a gentileza, sensibilidade, quietude, bondade e leveza. Esse conjunto pode nos ajudar a alcançar uma vida mais leve, embora isso pareça impossível na atualidade. 

Segue um trecho do livro para reflexão:

"Filtrar a avalanche de ruídos que o mundo produz e criar intervalos de silêncio talvez seja um dos exercícios indispensáveis para quem buscar viver com leveza. Diminuir o volume da música, dar um descanso para o celular, parar de bater portas, buzinar menos, desligar a TV quando os amigos chegam para conversar, falar baixo (quem sabe falar menos?) tudo isso ajuda a suavizar o cotidiano - nosso e de quem nos cerca."

Não importa a enormidade de compromissos que nós tenhamos, com jeitinho , a gente consegue viver com mais leveza!!!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Cada vez melhor






"Quando olho para o meu passado, encontro uma mulher bem parecida comigo - por acaso, eu mesma - porém essa mulher sabia menos, conhecia menos lugares, tinha menos emoções."

terça-feira, 11 de outubro de 2011




  "Viva à tua maneira.Não perca a estribeira.Saiba do teu valor.  E amanheça brilhando mais forte que a estrela do norte que a noite entregou."







domingo, 2 de outubro de 2011

As melhores coisas

É encantador e gratificante ajudar o próximo. Nada como compartilhar afeto, sorrisos, gentilezas. Nada mais satisfatório que utilizar o seu conhecimento em prol do outro. Não é preciso muito, não é necessário ideias mirabolantes e projetos gigantescos, um pequeno ato mas de grande significado, pode fazer diferença na vida de alguém.

Hoje, realizamos mais um Mutirão Cidadania, juntando a parte de preparativos, realizaçao e pós evento, eu posso dizer que estou EXAUSTA!!!! Mas todo cansaço não se compara ao bem estar trazido pela solidariedade.

E às vezes somos tão ensismesmados, focados apenas no nosso mundinho, nos nossos problemas, fazemos de pequenos copos de água, verdadeiras tempestades. Mas, se expandimos o nosso olhar percebemos que sempre  há algo de bom que podemos fazer para alguém. Tanto se fala em igualdade, mas pouco fazemos para alcançá-la.

É como diria Lia Luft " A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na  correria da época atual, a gente pudesse se permitir criar uma ilha de contemplação, de auto contemplação, de onde se pudesse ver todas as melhores coisas:  com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada."

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Tempo e Oportunidade

Estou numa fase de intensa atividade. Muito trabalho, organização III Mutirão Cidadania (projeto social ) casa, filhos, marido, atividades na igreja, sem tempo pra nada!!! Dizem que organização do tempo resolve tudo, eu discordo, já aprendi que não há organização que resolva excesso de atividade. Estou sobrecarregada e nao faço ideia de como resolver. É verdade que eu gosto de minha vida dinâmica mas às vezes o corpo precisa de uma pausa.
Em meio a esse turbilhao de compromissos recebi um texto de um colega do facebook. A mensagem foi mais oportuna, achei excelente e pedi permissao para compartilhar aqui. Aí vai: 


 

Noção te tempo é uma coisa bastante complexa... Alguma vez você já disse: “Um dia, quando tiver tempo, vou...”? Talvez já tenha usado esta expressão antes, talvez não; mas pare um momento e pense a respeito...Seja o que for que você puser no final da frase, representará um desejo, uma esperança, um valor na sua vida. Bem, tenho uma “novidade”: você jamais realizará esse desejo a menos que faça algo por isso.Willian Robin diz “que não existe sorte e sim você estar preparado no momento certo”.Qualquer que seja nossa idade, é agora a ocasião de tomar a decisão de tornar-nos uma pessoa ainda melhor do que somos. Por exemplo, Roberto Marinho fundou a Rede Globo quando tinha sessenta anos, Ray Crock abriu o primeiro McDonald’s aos cinqüenta e cinco anos. Ah! Mas os jovens também têm a oportunidade de se projetarem: Newton formulou a Lei da Gravitação Universal aos vinte e quatro anos, e o freio a ar foi inventado por Westinghouse aos vinte e três anos. E ainda, o “imortal” Austregésio de Athayde, em vida um incansável batalhador das letras, aos noventa e dois anos trabalhava dezesseis horas por dia: pela manhã, no Jornal do Comércio e à tarde na Academia Brasileira de Letras.Marco Aurélio Ferreira Viana escreveu em 1996 o seguinte: Qualquer que seja a sua idade, há no seu coração, a curiosidade aos fatos e sua infalível sensação de prelibação infantil pelo que “vem depois” no trabalho e no jogo da vida. Você é tão jovem quanto a sua fé, tão velho quanto as suas dúvidas; tão jovem quanto sua autoconfiança, tão velho quanto o seu medo; tão jovem quanto a sua esperança, tão velho quanto o seu desespero. No âmago do seu coração, há uma câmara de gravação. Enquanto ela receber mensagens de beleza, esperança, alegria e coragem, você é jovem.Refletindo sobre esse pensamento de Viana, e analisando a fala de Pablo Picasso: “Todo mundo nasce gênio. Difícil é sobreviver à escola”, e tentando comparar os exemplos dados e também com o título desse artigo: Tempo e Oportunidade, imaginei como as instituições educacionais têm trabalhado tudo isso na atualidade...O tempo pode ser perdido, mas nunca recuperado. Não pode ser acumulado; precisa ser gasto (investido). Alguém afirmou que não podemos guardá-lo, congelá-lo, nem colocá-lo em latas. Não podemos fabricá-lo. Podemos administrá-lo. O tempo é, talvez, o único dom pelo qual cada ser humano é igualmente responsável.Como contextualizar tempo e oportunidade com o que vem ocorrendo em nossos dias? Como as instituições escolares vêm preparando os educandos para compreender que só tem oportunidade quem sabe administrar seu tempo...Durante séculos, filósofos e sábios têm tentado explicar o tempo. Sir Isaac Newton disse que o tempo era absoluto, que ele ocorreria independente da existência do Universo. Surgiu Leibniz e virou do avesso a definição de Newton. Disse ele: “Tempo é meramente a ordem dos eventos, não uma entidade em si própria”. Albert Einstein seguiu Leibniz, e afirmou que “O tempo não tem existência independente da ordem dos eventos pelos quais o medimos”.Complicado não? O que mais nos interessa, é, para onde vai o tempo? Sim, normalmente todos nós fazemos à pergunta: “Para onde foi o tempo?” Essa indignação retórica, sem dúvida, expõe erradamente o caso. O tempo não sai de cena; ele simplesmente passa na velocidade de sempre – enquanto nós realizamos muito menos do que talvez devêssemos realizar. Seria melhor perguntar: “Como planejei tão mal e deixei tanto para fazer em tão pouco tempo?” Ou, “Como planejei tão mal que nem tenho tempo para o ócio criativo” (lazer)?Ninguém tem mais – nem menos – tempo do que você ou do que nós. Cada pessoa tem direito a 1.440 minutos por dia, 168 horas por semana. Todos têm, em cada dia, a mesma quantidade de tempo que os demais. Eis o paradoxo: Ninguém tem tempo suficiente; cada um tem todo o tempo que existe. Pensemos, porém, na qualidade do nosso tempo e investimento!Falando em tempo e investimento, me lembrei do que John Richardson disse: “Quando se trata do futuro, há três espécies de pessoas: aquelas que deixam acontecer; aquelas que fazem acontecer e aquelas que se espantam com o que aconteceu”.Todavia, apesar de sua reconhecida preciosidade e vasto potencial, não há nada que desperdicemos tão impensadamente como o tempo. Foi o sábio pragmático Sir Walter Scott quem escreveu: “Você ama a vida? Não desperdice então o tempo. Pois é dele que se compõe a vida.” Eis aí, mais uma reflexão para todos nós, sobretudo, as entidades educacionais.Ele (tempo) se estende na primeira semana de férias e se contrai na segunda. Passa mais devagar para o paciente do que para o dentista. Passa mais devagar para a classe do que para o professor (nem sempre...)...Dizem-nos que o tempo passa. Na verdade, não é ele que passa, somos nós. O tempo está parado. O único tempo que temos é AGORA. Esta é qualidade existencial do tempo.Aprendamos a aproveitá-lo bem! Assim, as oportunidades aparecerão!Ah! Já que coloquei várias falas de pessoas que souberam aproveitar seu tempo e nos deixaram bons exemplos, terminarei com o que Charles Jones disse: “Daqui a cinco anos você estará bem próximo de ser a mesma pessoa que é hoje, exceto por duas coisas: os livros que ler e as pessoas de quem se aproximar”. By Fabio Carvalho Junior

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Bem vinda Primavera






Ah... como é linda essa época do ano. O desabrochar das flores, o encanto das rosas, o aroma primaveril, o calor do tempo, a beleza da vida!! A natureza nos ensidando que tudo se renova. Para saudar essa querida estação um trecho de Cecília Meireles.

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.
Há bosques de rododentros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvi­dos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.
Cecília Meireles - OBra e Prosa - Vol 1.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Celebrando a Vida!!

Eu sou uma pessoa dada a festividades. Gosto de Natal, Ano Novo, festas de família, casamento, mas a data comemorativa que mais me desperta é o aniversário. Eu tenho uma visão romântica sobre ele. Para algumas pessoas essa data passa assim comum, despercebida, normal, como mais um dia e só. Mas para mim não. Para mim, o aniversário é uma celebração à vida!! Como sou uma pessoa sociável e simpática tenho inúmeros acompanhantes nessa festa, mas ainda que ninguém se lembrasse ou se importasse com o meu aniversário eu o celebraria lindamente da mesma forma.
Porque eu tenho consciência que a vida é o dom maior de Deus. O melhor, o mais belo, o mais incrível! Porque eu sei que a cada dia dessa minha existência, do amanhecer ao anoitecer, são incontáveis bençãos que Meu Criador derrama sobre mim. O ar, o sol, as plantas, toda a natureza e seu esplendor, minha família, meu marido, meus filhos, amigos, meus bens, meu conhecimento, meus problemas, minhas lutas, os dissabores e até os desafetos, tudo, tim tim por tim tim é motivo para ser agradecido. Porque a vida é isso, um conjunto de coisas boas e ruins que constroem a nossa história. A todo tempo eu agradeço e muito, mas no dia do meu aniversário eu passo o dia a render louvores e agradecimentos a Deus, porque quando eu olho pra minha história eu entendo o quanto eu sou vitoriosa, o quanto sou feliz, o quanto sou rica de bençãos. E eu tenho plena consciência de que nada acontece por acaso, é por isso eu encaro bem os meus problemas, porque eu sei que dali Deus quer me dar alguma lição.
Hoje eu tô celebrando mais um dia de vida e só eu sei os milhões de coisas que tenho para agradecer. A Deus, aos meus pais, irmãs, aos meus amigos, professores, ao meu marido, aos meus filhos lindos, a todos que encontrei por meu caminho e de alguma forma participaram deste espetáculo que é a minha vida.
Viver é uma dádiva, é uma aventura incrível, e é por isso que digo como Clarice Lispector, EU VIVO, SINCERAMENTE EU VIVO!!! E olha, não tem nada melhor!!!

sábado, 17 de setembro de 2011

Momento Psicologia

Estou lendo o livro do Augusto Cury "Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis" é uma leitura imprescindível para quem compreende que autoconhecimento é a peça chave para uma boa saúde psíquica. O autor expõe diversas personalidades femininas, suas características marcantes, pontos positivos e negativos. Se a leitora está disposta a ser sincera consigo mesma, tem a oportunidade de trabalhar seu emocional e tende a crescer. Além do mais, é possível perceber o perfil de pessoas com as quais lidamos e entender o porque de certos comportamentos femininos.
É impressionante como algumas mulheres carecem de controle emocional , sobretudo, porque pensam ser de uma forma quando na verdade são de outra. Dizem uma coisa, mas fazem outra. E sequer se dão conta deste disparate.
O autor descreve essa conduta logo no começo do livro " Muitas mulheres vivem os velhos paradigmas. Sequer reconhecem seus erros visíveis e muito menos pedem desculpas por eles. São ótimas para apontar o dedo, mas não tem coragem de apontá-los para si. Têm necessidade neurótica de estarem sempre certas. Não sabem que nada é mais relaxante do que ser apenas um ser humano consciente de suas imperfeições e limites.Nada é tão estressante como querer ser o que náo somos. Quem não tem contato consigo mesmo não consegue reescrever a sua história. Nao represente, seja você mesma. A saúde psíquica agradece."
Além de trabalhar os perfis femininos, Cury traz os pecados capitais de uma relação doente,ciúme, insensibilidade, medo da perda, excesso de trabalho e cobrança excessiva, são os destaques. Para abrilhantar o livro, ao final de cada capítulo há uma mensagem para os homens.
Enfim, eu recomendo a leitura. Há aqueles que se julgam sabedores de tudo, irrepreensíveis, e há os que compreendem que a vida é um eterno aprendizado. No dizer de Augusto Cury " a saúde psiquíca não pertence aos heróis, mas aos simples combatentes que treinam todos os dias." Eu tenho a arte de ser uma eterna aprendiz !!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Todos são incluídos

Sou cristã, pretenço a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Independente de qual religião, percebo que muitas pessoas que se dizem seguidoras de Cristo, infelizmente fazem acepção de pessoas. Tomaram o posto de julgadoras (pertecente a Deus) e avaliam quais são aquelas que "merecem" a graça Divina.
Meu ponto de vista sobre esse assunto é muito simples, Deus nos deixou dois grandes mandamentos, amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Em momento algum houve especificação desse "próximo". Ele não disse, ame ao certinho, ao correto, ao justo, etc, apenas se referiu ao próximo e nós sabemos que isso inclui toda e qualquer pessoa. Isso pra mim, significa que não me cabe julgar ninguém seja por seu comportamento ou condição, a mim cabe apenas amá-lo. Às vezes sou criticada por pensar assim, e hoje li um texto na meditação matinal que me trouxe a tranquilidade de continuar nesse caminho, pois a mensagem ressalta que o próprio Jesus  Cristo aceitou as pessoas e-x-a-t-a-m-e-n-t-e como elas eram. Pela excelência do texto, divido com vocês.

Graça INCLUSIVA

Quem vier a Mim Eu jamais rejeitarei. João 6:37

Aceitação é ser recebido incondicionalmente. Não precisamos cumprir requisitos, receber uma senha, nem chegar no horário. Queremos ser aceitos como somos, ter a certeza de que não existe relutância da parte de Deus para nos aceitar do jeito que somos e como estamos – soltos, livres, com nossas peculiaridades.

Aceitação é uma palavra importante dentro do domínio da graça. Jesus nunca fez um teste com Seus discípulos para decidir se os aceitaria. Não foram aceitos primeiro como aspirantes e depois comprovados como discípulos. Não houve um período de prova no qual estariam sob observação para definir sua admissão no grupo. Jesus também não os deixou em quarentena. Não houve nenhum processo de triagem com Pedro ou Tomé, nem mesmo com Judas, só para ter segurança de que os melhores seriam escolhidos.

Desde o início do Seu ministério, quando chamou os dois primeiros discípulos, até o Calvário, crucificado entre ladrões, Jesus gastou Sua vida revelando a graça de Deus para aqueles que O rodeavam. Demonstrou que a graça é inclusiva. Aceitou ir à casa de Mateus, que tinha convidado um bando de cobradores de impostos e outros “pecadores”. Aceitou a mulher samaritana, a quem escolheu para ser a primeira pessoa a revelar Sua missão. Visitou Zaqueu na casa dele. Tocou leprosos e atraiu crianças a Si.

Por que multidões acorriam a Ele? Ele as aceitava independentemente de sexo, raça ou profissão, ao contrário dos fariseus e mestres que estavam sempre corrigindo os outros, criticando ou encontrando faltas. Com Jesus, as pessoas podiam se dar ao luxo de ser elas mesmas.

Em nosso dia a dia, a aceitação no trabalho depende de desempenho, na escola, de nossas notas; para jogar no time, dos gols ou pontos que marcamos. Às vezes, queremos transferir para o domínio da graça os mesmos critérios. Queremos ter parte no processo de aceitação. Mas a graça nos aceita, a despeito de nossa inaptidão e incapacidade.

Ellen G. White diz: “Devemos ir com todas as nossas fraquezas, leviandades e pecaminosidade, e, arrependidos, lançar-nos a Seus pés. Ele Se alegra ao envolver-nos em Seus braços de amor, curar nossas feridas e purificar-nos de toda impureza” (Caminho a Cristo, p. 52).

Plenitude e riqueza da graça de Deus! Todos são incluídos. Ninguém vai ficar de fora. Seu abraço inclui todos nós.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Convite

Recebi o convite de uma nobre colega para escrever para seu blog "Direito e Atualidades" sobre as alterações propostas pelo novo Código Florestal. O artigo já foi publicado, se por acaso tiverem interesse no assunto, só dar uma passadinha e conferir.

http://direitoseatualidades.blogspot.com/2011/09/novo-codigo-florestal-aspectos.html
Te desejo uma fé enorme.
Em qualquer coisa, não importa o quê.
Desejo esperanças novinhas em folha, todos os dias.
Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo.
Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso.
Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes.
Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito.
Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria.
Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
As coisas vão dar certo.
Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.
Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Setembro!

Vencemos agosto!!! Sinceramente eu não sou muito fã do mês de Agosto. Alguém pode dizer que é superstição, neura, mas, seja o que for, esse é um mês que sempre me traz alguns dissabores. No meu ponto de vista, Agosto é um mês cinzento,  de ventos, de folhas secas caídas pelo chão, de clima estranho. Não é nada bonito de se ver. Eu super apoio a citação de Caio Ferando de Abreu "Que setembro seja melhor e supere todas as angústias, medos, inseguranças e azar de um agosto fodido.”
Setembro é um mês bonito, alegre, florido, quente, e veja só, é o mês do meu aniversário!!! Para começar esse setembro lindo, uma música boa de se ouvir!!

sábado, 27 de agosto de 2011

VIDA = Variações Infinitas de Acontecimentos

Tive uma semana difícil. Acho que todas as coisas que consideramos como "dificuldades" a doença é a pior. Ela abala toda a sua estrutura. Durante a semana inteira sofri com dores, uma tremenda duma cólica renal. Protelei pra ir pro hospital, o que não ajudou em nada. Agora a noite aproveitando o tempo livre, o tradicional repouso do adoentado, encontrei um texto da Martha Medeiros que me fez pensar que a gente é até mesmo a dor que a gente sente. Nós somos o conjunto de tudo aquilo que sentimos, sonhamos, vivemos. Se o seu conjunto é bom agradeça as suas experiências.

VOCÊ É... Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra. Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora. Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda. Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima. Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia. Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê. Martha Medeiros 

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Dia do Advogado

O dia 11 de Agosto é considerado o Dia do Advogado. Essa data surgiu como homenagem aos profissionais do Direito por ter sido a data de criação da 1ª faculdade de Direito no Brasil, na cidade de São Paulo. Naquele tempo nossa profissão era tida como honrada  e nobre e os comerciantes faziam questão de receber os advogados em seus estabelecimentos. No dia 11 de Agosto tudo o que fosse consumido pelos advogados corria por conta da casa e a praxe era que os profissionais discursassem nos estabelecimentos. Após se fartarem saíam e não tinham que pagar a conta, prática que ficou conhecida como "pendura".Quando os cursos de Direito sofreram um aumento a prática foi encerrada mas os que a perpeturam e até hoje a prática ocorre em alguns locais. A diferença é que naquele tempo os comerciantes faziam questão de pagar a nossa conta.
Bem, hoje as coisas mudaram. Acredito que N fatores contribuíram para o desprestigío da nossa classe como o aumento absurdo de cursos de Direito e a consequente má formação de profissionais. A falta de ética de alguns que acaba por atingir a todos.
Mas, sobre os lados negativos eu não vou falar hoje né. Afinal, hoje eu quero mais é bater no peito e dizer: Eu sou advogada! E vocês não sabem o quanto eu caminhei pra chegar até aqui!
Eu não gosto de generalizaçãoes, isso é coisa de senso comum. Os advogados são indispensáveis à administração da justiça, e a grande maioria honra o título que carrega.
Eu posso falar por mim, que pauto minha conduta pela ética, honestidade e compromisso. Eu tenho orgulho de dizer que Amo o Direito, amo advogar e deito todas as noites com a minha consciência tranquila de que tenho feito o melhor para assegurar os interesses daqueles a quem represento.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Não se suje

Eu e minha filha representamos uma vez o texto abaixo, fizemos as adaptações necessárias e apresentamos uma peça na Igreja. Hoje, por acaso, me lembrei disso e por achar a mensagem espetacular, vou compartilhar com vocês.

- Pai, estou com muita raiva. O Juca não deveria ter feito aquilo comigo. Desejo tudo de ruim para ele.
Seu pai, um homem simples, mas cheio de sabedoria, escuta calmamente o filho que continua a reclamar:
- O Juca me humilhou na frente dos meus amigos. Não aceito. Gostaria que ele ficasse doente sem poder ir à escola.
O pai escuta tudo calado enquanto caminha até um abrigo onde guardava um saco cheio de carvão. Levou o saco até o fundo do quintal e o menino o acompanhou calado. Zeca viu o saco ser aberto e antes mesmo que ele pudesse fazer uma pergunta, o pai lhe propõe algo:
- Filho, faz de conta que aquele lençol branquinho que está secando no varal é o seu amiguinho Juca e cada pedaço de carvão é um mau pensamento seu, endereçado a ele. Quero que você jogue todo o carvão do saco no lençol, até o último pedaço. Depois eu volto para ver como ficou.
O menino achou que seria uma brincadeira divertida e pôs mãos à obra. O varal com o lençol estava longe do menino e poucos pedaços acertavam o alvo.
Uma hora se passou e o menino terminou a tarefa. O pai, que espiava tudo de longe, se aproxima do menino e lhe pergunta:
- Filho como está se sentindo agora?
- Estou cansado, mas estou alegre porque acertei muitos pedaços de carvão no lençol.
O pai olha para o menino, que fica sem entender a razão daquela brincadeira e carinhoso lhe fala:
- Venha comigo até o meu quarto, quero lhe mostrar uma coisa.
O filho acompanha o pai até o quarto e é colocado na frente de um grande espelho onde pode ver seu corpo todo. Que susto! Só se conseguia enxergar seus dentes e os olhinhos. O pai, então, lhe diz ternamente:
- Filho, você viu que o lençol quase não se sujou, mas olhe só para você. O mau que desejamos aos outros é como o que lhe aconteceu. Por mais que possamos atrapalhar a vida de alguém com nossos pensamentos, a borra, os resmungos, a fuligem, ficam sempre em nós mesmos...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Divagação

Cheguei à conclusão que cada um utiliza aquilo que tem.
Dessa forma, quem não tem iniciativa se vale do desdém. Quem não tem boa auto-estima aproveita da inveja. Quem não tem solidez encara a encenação e quem não possui argumento se vale do 
grito. By Fabiana Paiva 

Mulher de Atitude


A história é verdadeira, contada pela própria Michelle na Reader's Digest
Numa ocasião, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saiu para jantar com sua esposa, Michelle, e foram a um restaurante não muito luxuoso, porque queriam fazer algo diferente e sair da rotina.
Estando sentados à sua mesa no restaurante, o dono pediu aos guarda-costas para aproximar-se e cumprimentar a primeira dama, e assim o fez.

Quando o dono do restaurante se afastou, Obama perguntou a Michelle: Qual é o interesse deste homem em te cumprimentar?

Michele respondeu: Acontece, que na minha adolescência, este homem foi apaixonado por mim , durante muito tempo.

Obama disse então: Ah, quer dizer que se você tivesse se casado com ele, hoje você seria dona deste restaurante?

Michelle respondeu: Não, meu querido, se eu tivesse me casado com ele, hoje ELE seria o Presidente dos Estados Unidos.
"Adestrei-me com o vento e minha festa é a tempestade." Cecília Meireles


domingo, 31 de julho de 2011

Dia de Domingo

o conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.
Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.







quinta-feira, 28 de julho de 2011

"Aprendi o silêncio com os faladores,a tolerâcia com os intolerantes,a bondade com os maldosos e,por estranho que pareça,sou grato a esses professores" Khalil Gilbram

Há um velho jarguão com o qual concordo "tudo tem um motivo para acontecer." As vezes não entendemos, mas toda situação nos traz um aprendizado.

O importante é que você esteja atento: Diante de uma advseridade, confusão, problema, não se revolte, observe atentamente o fato, os comportamentos e aprenda. Essas lições são um avanço na sua vida.

quarta-feira, 27 de julho de 2011


"Bonito mesmo é essa coisa da  vida, quando menos se espera, a gente se supera.E chega mais perto de ser quem - na verdade - a gente é"
Fernanda Melo

O Escorpião e a Rã - Rubem Alves


Um dia a floresta pegou fogo. Só havia um jeito de fugir da morte: era atravessando o rio, para o outro lado. Os bichos que sabiam nadar pulavam na água, levando seus amigos nas costas. Mas o escorpião nem tinha amigos, nem sabia nadar. E não havia ninguém que se arriscasse a oferecer-lhe carona.
O escorpião, então, valentia e coragem sumidas ante o fogo que se aproximava, foi forçado a se humilhar. Dirigiu-se com voz mansa à rã, que se preparava para a travessia.
-Por favor, me leve nas suas costas - ele disse.
-Eu não sou louca. Sei muito bem o que você faz a todos que se aproximam de você - replicou a rã.
-Mas, veja- argumentou o escorpião- eu não posso picá-la com o meu ferrão. Se o fizesse, você morreria, afundaria, e eu junto, pois não sei nadar.
A rã ponderou que o raciocínio estava certo. Podia ser que o escorpião fosse muito feroz, mas não podia ser burro. Todo mundo ama a vida. O escorpião não podia ser diferente. Ele não iria matar, sabendo que assim se mataria... E, como tinha bom coração, resolveu fazer esta boa ação. -Muito bem. -disse a rã ao escorpião. -Suba nas minhas costas. Vou salvar sua vida...
O escorpião se encheu de alegria, subiu nas costas lisas da rã e começaram a travessia.
Que coisa -ele pensou- é a primeira vez que me encosto em alguém de corpo inteiro. Antes era só o ferrão... E até que não é ruim. O corpo da rã é bem maciozinho...
Enquanto isso, a rã ia dando suas braçadas tranqüilas, nado de peito, deslizando sobre a superfície. -E como é gostoso navegar- continuou o escorpião , nos seus pensamentos. - estes borrifos de água , como são gostosos. É bom ter a rã como amiga...
Estavam bem no meio do rio. O escorpião olhou para trás e viu a floresta em chamas. -Se não fosse a rã, eu estaria morto neste momento. E um estranho sentimento, desconhecido, encheu seu coração: gratidão. Nem sempre veneno e ferrão são a melhor solução. A vida estava com a rã, macia e inofensiva que não inspirava medo em ninguém... Sentiu seu corpo descontrair-se. Achou que a vida era boa... Era bom poder baixar a guarda e descansar.
Voltou-se de novo para trás, para olhar a floresta incendiada. Mas, ao fazer isto, viu-se refletido, corpo inteiro, na água do rio que brilhava à luz do fogo. E o que viu o horrorizou: seu rabo, dantes ereto, agora dobrado, desarmado. Escorpião de rabo mole... Todos ririam dele. E sentiu um ódio profundo da rã.
-Espelho, espelho meu, existe bicho mais terrível que eu? A resposta estava naquele rabo mole, refletido no espelho da água. E a única culpada era a rã...
Sem um outro pensamento, enrijeceu o rabo e o enfiou nas costas da rã.
A rã morreu. E, com ela, o escorpião.
 
Há quem acrescente que a rã perguntou ao escorpião "por que você fez isso???" e o escorpião respondeu: "me perdoe mas é a minha natureza."
Eu acho um erro pensar que nossa natureza é imutável, é possível sim alterar características presentes em nossa personalidade das quais não nos orgulhamos. Fácil não é. Lutar contra a natureza demanda perseverança, disciplina, humildade e uma fé enorme no nosso Criador que pode moldar nosso caráter.
Mas, cônscios daquilo que precisamos despojar, é possível trilhar um caminho de renovação. Eu acredito nisso.