segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Vem com tudo 2013!

É inevitável, último dia do ano sempre rola um remember.

Analisando tudo, se eu tivesse que resumir meu 2012 em um só palavra seria: benção!

Foram muitas conquistas, e não estou me referindo apenas às materiais, ao contrário, as imateriais foram muito melhores!

É claro, nem tudo foram flores. Existiram dúvidas, medos, tristezas, lágrimas, tensões, estresse (muito estresse). Mas houve muito mais risos, certezas, coragem e distrações.

Existiram problemas, discussões, gente chata. Mas foram ainda em maior número as soluções, os apaziguamentos, as pessoas agradáveis e as chegadas.

Houve momentos difíceis, desânimo, doença, falsidade, saudade. Mas não posso enumerar os bons momentos, a força que me move, a abundância de vida.

Todo ano tem seus prós e contras. Com os contras eu soube lidar, me ensinaram, fortaleceram, ampliaram minha visão de mundo. E com os prós eu pude vibrar. E foram muitos!

O sorriso dos meus filhos, o entrosamento com o marido, a farra com os amigos, a estabilidade profissional, a comemoração da vida, a perfeição dos sentidos, a companhia dos familiares,  a beleza singela do dia a dia,  beijo de vó,os milagres diários, a presença de gente querida, as conquistas, os sonhos realizados, o vencer das batalhas, a paz de espírito, a liberdade, a proteção Divina.

Meu Deus, obrigada por este 2012 abençoado e que venha 2013 com todos os seus mistérios, com o desenrolar de seus dias, com os imprevistos, com os problemas e com as vitórias que Tu tens preparado pra  mim.

Aos meus queridos, os votos de um Ano Novo repleto de coisas boas e se vierem as ruins, desejo a mesma certeza que tenho que Deus nos carrega no colo.

Beijo gente!!





domingo, 16 de dezembro de 2012

Uma dose de senso por favor!

Cada dia mais eu me convenço de que o senso sumiu da face da terra.

Nos ùtlimos dias, fui anotando várias situaçoes que me ocorreram e , francamente, tô assustada com o crescimento avassalador da falta de noçao!!

Trata-se de uma realidade cruel : o senso está em baixa!

Em um tempo nao muito remoto existiam regras básicas de educação que todos conheciam. Tipo:

Não entrar em conversa alheia sem ser convidado.

Não telefonar pra ninguém muito cedo, nem no horario de almoço, nem muito tarde.

Pedir licença, dizer por favor, obrigado, desculpa.

Eu tenho a impressão de que a maioria das pessoas "pensa" que isso existe, mas na prática, acabou quase por completo!

Faz muito tempo que nao consigo dormir até às 08 da manhã. O meu telefone toca cedo, TODOS OS DIAS SEM EXCESSAO. O profissiona, o pessoal, o residencial, nao tem escapatória.  E o pior é que sao telefonemas sem pé nem cabeça. Ou sera que as pessoas acham normal te ligar pra falar de assunto profissisonal as 06 da manha??

Tomei antipatia daquela frase: "posso te fazer uma perguntinha"?? Como advogada, entendo que alguém queira ou precise saber algo, mas vamo combinar, você numa festa, no salão, na igreja, no aniversario do seu sobrinho, no ônibus, num casamento com um vestido deslumbrante, numa confraternizaçao, em qualquer lugar, no facebook, em qualquer momento as pessoas querem usufruir do seu conhecimento.

E nas redes sociais? Putz. Aí é falta de senso em larga escala. Pessoa não te conhece, nunca te viu, mas acha mesmo que pode escrever qualquer coisa na sua pagina. Tem gente que discute com outra pessoa a partir de suas publicaçoes, tem aquele que nao gosta de você mas passa todo dia pra se inteirar da sua vida. Tem sempre um maluco que nunca te viu na vida, aí um dia puxa um papo, você é educado e aí o sujeito cisma que é teu amigo e passa a exigir sua atençao. E tem um monte de insano que posta coisas absurdas, racismo e homofobia declarados, fotos de acidente, de animais mortos, enfim, um turbilhão de inutilidades.

Favor nao existe mais. As pessoas te pedem algo, se você nao puder fazer, lascou meu amigo. Você recebe um monte de nomes inapropriados, porque as pessoas simplesmente acham que você é obrigado a lhes prestar favores.

Se você lida com equipes, sai de baixo! Senso é artigo de luxo. A humanidade esta perdendo a capacidade de interagir, cada um quer as coisas a seu modo e haja jogo de cintura pra tentar estabilizar o grupo sem soar autoritária, mas com firmeza suficiente pra manter a coesao.

 O grande problema é que essa avalanche de atitudes desprovidas de senso atacam nosso dia a dia e é exaustivo lidar com isso. E pensar que seria tão fácil se cada um apenas observasse as regras mais simples da vida.

Ando torcendo pra que recaia sobre a terra uma boa dose do velho e bom senso!

 

 

 

 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Meu nome é trabalho!

Ando um tanto preocupada com meu excesso de trabalho.
Sou uma mulher independente e competente no que faço, porém
acarreto obrigações demais.
É bem verdade que o sucesso demanda dedicação, mas quando o corpo começa
a dar sinais de estresse é hora de estar alerta.
É... parar de trabalhar é impossível, retroceder, jamais. Então venho pensando
numa forma de aliviar as tensões diárias.
Acho que a única saída é acrescentar no meu nome "trabalho"  o sobrenome "descontração".
Essa combinação pode me assegurar a leveza necessária para carregar o fardo da responsabilidade de ser uma mulher, mãe, esposa, advogada , administradora e líder ministerial.
Férias, esse é o meu próximo objetivo! 

domingo, 7 de outubro de 2012

domingo, 30 de setembro de 2012

SEJA!

Li, amei e vou compartilhar:

by Fernanda Gaona.


Prepare um belo discurso. Gaste suas melhores palavras. Utilize todos os seus argumentos. Eu não consigo ouvir o que você diz.
Mais do que na força das palavras, eu acredito no poder das atitudes. Na grandeza dos gestos. Nas sutilezas das ações. Guarde seus dizeres para utilizá-los depois que fizer. Eles serão apenas um complemento.
Haja o que houver, aja.
Palavras quando não andam sincronizadas com nossos pés, não chegam a lugar algum. Não dizem absolutamente nada.
É na coerência das ações que a gente se encontra e o outro nos reconhece.
Ninguém pode viver preso em um discurso.
Ou seja,

Seja!


domingo, 9 de setembro de 2012

"Talvez a maior contribuição que  a gente possa dar ao mundo seja nossa alegria! "






domingo, 2 de setembro de 2012

Setembro

E passou Agosto. Nem foi tão mal assim. Um pouco nublado, um pouco cinzento, às vezes ventania.
Mas o melhor do mês de Agosto é que ele nos faz amar Setembro!!!! 
Setembro chega cheio de vida, cores, boas vibrações, floress, alegria, entusiasmo. E veja a coincidência: é o mês do meu aniversário!
Sem dúvida não haveria mês mais propício para o meu nascimento. A essência do Setembro se reproduz toda em mim. 
Eu gosto de cores, de vivacidade, das flores, borboletas, da luminosidade, da intensidade.
Setembro traz, com o desabrochar das suas flores, a ideia de renovação, a qual me apego e me reinvento tantas e tantas vezes, quantas forem necessárias para a minha real felicidade.
Neste ano, resolvi por festejar, ainda mais, pois muitas bençãos tem sido derramadas em minha vida. E que ocasiao melhor poderia haver pra comemorar tudo de bom que nos acontece?? Aniversário!! Celebração da vida, do cuidado diário de Deus.


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Inspiração

Em Belo Horizonte, hoje é feriado. Plena quarta-feira. Ouvi um monte de gente dizer que feriados assim não tem a menor graça, que são tediosos.

respeito, mas discordo. Tédio é para os sem inspiração! Quantas coisas agradaveis podemos fazer em um feriadinho no meio da semana. Dormir até mais tarde, rolar na cama, namorar antes de se levantar, curtir um filme, ouvir boa música, ler um bom livro, sair com os filhos, observar a rua da janela.

Atividades é que nao faltam. Talvez esteja faltando um senso de vida, de observaçao, de apreciaçao do simples. Cada vez mais, me convenço que a maioria das pessoas ,está correndo tanto atrás de momentos e coisas deslumbrantes, que está perdendo a chance de viver intensamente, o simples e bom da vida!


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Agosto

Em geral, o mês de agosto não é muito querido. Coitadinho!
Amei o que Caio Fernando Abreu escreveu sobre o mês mais indesejado do ano!

"Para atravessar agosto é preciso antes de mais nada paciência e fé. Paciência para cruzar os dias sem se deixar esmagar por eles, mesmo que nada aconteça de mau; fé para estar seguro, o tempo todo, que chegará setembro - e também certa não-fé, para não ligar a mínima às negras lendas deste mês de cachorro louco. É preciso quem sabe ficar-se distraído, inconsciente de que é agosto, e só lembrar disso no momento de, por exemplo, assinar um cheque e precisar da data. Então dizer mentalmente ah!, escrever tanto de tanto de mil novecentos e tanto e ir em frente. Este é um ponto importante: ir, sobretudo, em frente."


Paciência e fé meu caro Abreu, temos que ter em todos os meses e dias, afinal esse mundo não anda fácil. O ponto mais importante, não é apenas ir em frente, é fazê-lo da melhor forma possível. É de fato, viver!

Que Agosto, com seus ventos, nos traga ótimos episódios!

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Um pouco de filosofia


Cartas a Lucílio, de Sêneca
O ingrato tortura-se e aflige-se a si mesmo; odeia os benefícios que recebe por ter de retribuí-los, procura reduzir a sua importância e, pelo contrário, agigantar enormemente as ofensas que lhe foram causadas. Há alguém mais miserável do que um homem que se esquece dos benefícios para só se lembrar das ofensas? A sabedoria, pelo contrário, valoriza todos os benefícios, fixa-se na sua consideração, compraz-se em recordá-los continuamente. Os maus só têm um momento de prazer, e mesmo esse breve: o instante em que recebem o benefício; o sábio, pelo seu lado, extrai do benefício recebido uma satisfação grande e perene. O que lhe dá prazer não é o momento de receber, mas sim o fato de ter recebido o benefício; isto é para ele algo de imortal, de permanente. O sábio não tem senão desprezo por aquilo que o lesou; tudo isso ele esquece, não por incúria, mas voluntariamente. Não interpreta tudo pelo pior, não procura descobrir o culpado do que lhe sucedeu, preferindo atribuir os erros dos homens à fortuna.
Não atribui más intenções às palavras ou aos olhares dos outros, antes procura dar do que lhe fazem uma interpretação benevolente. Prefere lembrar-se do bem que lhe fizeram, e não do mal; tanto quanto pode, guarda na memória os benefícios precedentes e não muda de disposição para com aqueles a quem deve algum favor a não ser que as suas más ações sejam de longe mais graves, numa desproporção evidente mesmo a quem não a quer ver; e até neste caso o sábio terá por eles, depois de uma considerável ofensa, sentimentos idênticos aos que tinha antes do favor recebido. Na realidade, mesmo quando a ofensa é equivalente ao benefício, permanece na nossa alma um certo sentido de benevolência.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Meu Mundo Ideal

Eu queria um mundo em que o céu estivesse sempre azul, em que o verde tivesse espaço e o ar fosse puro.
No meu mundo o sol brilharia todos os dias, nem tão quente, nem tão fraco, um brilho constante, equilibrado.
Eu queria um mundo em que as crianças brincassem, olhassem borboletas, admirassem vagalumes, contassem estrelas. 
No meu mundo as pessoas seriam educadas, tolerantes, aprazíveis, éticas, honestas. Nao haveria lugar pra soberba, pra arrogância, pra discriminação, pra violência.
Eu queria um mundo sem guerras, sem terroristas, sem corrupção.
No meu mundo os seres humanos se tratariam como iguais. Eu queria um mundo sem fome, sem doenças, sem dor.
No meu mundo, as pessoas viveriam pra sempre ou enquanto tivessem vontade. Eu queria um mundo em que nao existissse histórias tristes de filhos que perdem a mae enquanto sao pequenos e, nem  de mães que perdem os filhos.
No meu mundo reinaria a paz, a bondade, a alegria, a vida. Eu queria um mundo no qual todos os adjetivos ruins fossem como contos da carochinha, só existissem na imaginação.
Utopia? Não. O meu mundo ideal é simplório perto do mundo novo que Deus está preparando pra nós.
"E Deus limpará dos olhos todo lágrima e nao haverá mais morte, nem pranto, nem dor. Porque as primeiras coisas já passaram e tudo se fez novo." Apocalipse 21:4

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Chega de Excessos

 O trecho abaixo foi extraído do livro "Doidas e Santas " de Martha Medeiros. Engraçado que tenho refletido muito sobre isso. Estamos exagerando em tudo, e talvez deixando de lado o que mais importa. Estou buscando o equilíbrio e me permitindo a leveza.


"A impressao que tenho é que a informação que recebemos é tanta, mas tanta, que nos imobiliza. A populaçao do planeta está em plena atividade, todos trabalhando, planejando, comemorando, matando, sobrevivendo, um mundo no gerúndio, sem interrupções e a gente consumindo tudo isso, soterrados por tanta notícia, por tanto apelo, por tanta emergência de opinar, concordar, discordar. Você poderia estar ouvindo uma música agora, olhando pro céu. Você poderia estar regando suas plantas, poderia estar observando o barulho da chuva, poderia estar preparando um chá ou lendo um belo poema em vez desses lamentos. Deixo aqui uma perguntinha: você tem recebido notícias de si mesmo??"


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Lições de vida

Entre os requisitos da sabedoria, está em fazer bom proveito do que se lê. Já aprendi faz tempo a respeitar até aqueles que se dizem meus inimigos. Respeito a opinião deles a meu respeito, respeito o que eles dizem, e respeito a minha posição de ignorá-los totalmente.
Li esse texto hoje e vi nele a lição que já aprendi, por isso acho que sabedoria neste momento, é compartilhá-lo com quem possa precisar.
`Só há duas opiniões relevantes sobre você e sua vida, a sua e a de Deus. Se você tem desafetos, dou uma dica, aliás, duas, ignore e ore por eles.

Ervas daninhas da vida

                                                           Lady Dana Austin

[O justo] é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem-sucedido. Salmo 1:3

Após retornar de uma excursão, encontrei ervas daninhas de um metro de altura esperando por mim, em casa. Puxa! Como foi possível que essas ervas criassem raízes e crescessem tanto em apenas um mês? Eu esperava que as plantas perenes que eu plantara no ano anterior reaparecessem. Mas logo percebi que esperança sem ação é inútil. Espanta-me que as ervas daninhas cresçam sem qualquer trato ou cultivo, e suas raízes se aprofundem e se estendam.

Às vezes, em nossos relacionamentos, encontramos ervas daninhas crescendo onde nunca as plantamos. Essas ervas causam atritos, divisão e, por fim, desastre. Isso me faz lembrar da parábola de Jesus sobre o homem que saiu a semear: “Outra [semente] caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e a sufocaram” (Mateus 13:7). Algumas de minhas amigas que realmente gostam de jardinagem falam das alegrias de arrancar ervas daninhas, de desarraigar essas plantas que se espalham, antes que tomem conta de tudo. Não consigo me identificar com isso, já que prefiro trabalhar entre quatro paredes. Mas bons mordomos precisam trabalhar onde são necessários, e não necessariamente onde desejam.

Essa lição objetiva me ensinou a ser coerente com aquilo que desejo na vida. Se quero paz, devo plantar as sementes da paz. Se quero amor, devo plantar as sementes do amor. Se quero alegria, alegria indizível, devo plantar as sementes da alegria. Se quero amizades sólidas, devo plantar sementes que gerem amizade. Se desejo estabilidade financeira, devo plantar as sementes da sábia administração. Se desejo sabedoria, devo plantar as sementes da sabedoria. Se desejo mudanças transformadoras, positivas no mundo, devo ser a mudança que eu quero ver. Seja qual for o desejo, ele requer que eu seja intencional em meus atos. Caso contrário, as ervas daninhas da dúvida, do desespero, da carência, da solidão e insensatez sufocarão as boas plantas. Hoje, sou categórica em meu desejo de plantar as sementes do amor, alegria, paz, mansidão, bondade, amizade, boa administração e conhecimento. Assim, pratico um cuidado preventivo, arrancando as ervas que ocultam e sufocam essas qualidades da vida.

Sinta-se abençoada. Intencionalmente escolho sentir-me assim.

Lady Dana Austin


quinta-feira, 14 de junho de 2012

"E, por último (agora, sim, encerrando), risque do seu Aurélio a palavra perfeição. O dicionário das mulheres interessantes inclui fragilidades, inseguranças, limites. Pare de brigar com você mesma para ser a mãe perfeita, a dona de casa impecável, a profissional que sabe tudo, a esposa nota mil. Acima de tudo, elimine de sua vida o desgaste que é tentar ter coxas sem celulite, rosto sem rugas, cabelos que não arrepiam, bumbum que encara qualquer biquíni. Mulheres reais são mulheres imperfeitas. E mulheres que se aceitam como imperfeitas são mulheres livres. Viver não é (e nunca foi) fácil, mas, quando se elimina o excesso de peso da bagagem (e a busca da perfeição pesa toneladas), a tão sonhada felicidade fica muito mais possível.”
by Leila Ferreira



quinta-feira, 24 de maio de 2012

Gratidão


(...) Diariamente eu chego a simples conclusão de que a vida é tão maravilhosa porque também é feita de colos, de feridas que cicatrizam, de amigos que celebram ou choram junto, de café coado com coador de pano, de gente que pega ônibus ou faz caminhada pela manhã, de quem planta o que se pode comer, de vizinhos que alimentam seus gatos com comida de gente. Que a vida é feita de algumas pessoas que direcionam todo o seu potencial criativo para melhorar a qualidade de vida de gente que eles nem conhecem. Que é feita de e-mails que chegam recheados de saudade e de cartas extraviadas solitárias numa gaveta de um correio qualquer. De muros e pontes e cais. De aviões que suprimem distâncias e de barcos que chegam. De bicicletas que atravessam cidades. De redes que balançam gente. De rostos que recebem beijos. De bocas que beijam. De mãos que se dão. Que existem pessoas altamente gostáveis, altamente rabugentas, altamente generosas, pessoas distraídas que perdem as coisas, mal-educadas que buzinam sem necessidade, pessoas conectadas que se preocupam com o lixo, pessoas sedutoras e seduzíveis, possíveis e impossíveis, pessoas que se entregam, pessoas que se privam, pessoas que machucam, pessoas que chegam pra curar desencadeadores de poemas, de sorrisos, de lições de vida que ficarão guardadas para sempre … A vida é tão maravilhosa porque ela nos compensa com ela mesma.
by Marla de QueirozTexto perfeito para o meu momento!!!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Reinventar-se

Minha vida anda corrida. Falta tempo livre. Mas, como não quero deixar o blog de lado aproveito uns instantinhos pra compartilhar algo de produtivo. Estou lendo Lya Luft essa semana e o texto abaixo é perfeito. 





Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos. 
Mas compreendi, num lampejo: então é isso, então é assim. Apesar dos medos, convém não ser demais fútil nem demais acomodada. Algumas vezes é preciso pegar o touro pelos chifres, mergulhar para depois ver o que acontece: porque a vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido. 
Para reinventar-se é preciso pensar: isso aprendi muito cedo. 
Apalpar, no nevoeiro de quem somos, algo que pareça uma essência: isso, mais ou menos, sou eu. Isso é o que eu queria ser, acredito ser, quero me tornar ou já fui. Muita inquietação por baixo das águas do cotidiano. Mais cômodo seria ficar com o travesseiro sobre a cabeça e adotar o lema reconfortante: "Parar pra pensar, nem pensar!" 
O problema é que quando menos se espera ele chega, o sorrateiro pensamento que nos faz parar. Pode ser no meio do shopping, no trânsito, na frente da tevê ou do computador. Simplesmente escovando os dentes. Ou na hora da droga, do sexo sem afeto, do desafeto, do rancor, da lamúria, da hesitação e da resignação. 
Sem ter programado, a gente pára pra pensar. 
Pode ser um susto: como espiar de um berçário confortável para um corredor com mil possibilidades. Cada porta, uma escolha. Muitas vão se abrir para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma, para a noite além da cerca. Hora de tirar os disfarces, aposentar as máscaras e reavaliar: reavaliar-se. 
Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial que nos pressiona tanto. 
Somos demasiado frívolos: buscamos o atordoamento das mil distrações, corremos de um lado a outro achando que somos grandes cumpridores de tarefas. Quando o primeiro dever seria de vez em quando parar e analisar: quem a gente é, o que fazemos com a nossa vida, o tempo, os amores. E com as obrigações também, é claro, pois não temos sempre cinco anos de idade, quando a prioridade absoluta é dormir abraçado no urso de pelúcia e prosseguir, no sono, o sonho que afinal nessa idade ainda é a vida. 
Mas pensar não é apenas a ameaça de enfrentar a alma no espelho: é sair para as varandas de si mesmo e olhar em torno, e quem sabe finalmente respirar. 
Compreender: somos inquilinos de algo bem maior do que o nosso pequeno segredo individual. É o poderoso ciclo da existência. Nele todos os desastres e toda a beleza têm significado como fases de um processo. 
Se nos escondermos num canto escuro abafando nossos questionamentos, não escutaremos o rumor do vento nas árvores do mundo. Nem compreenderemos que o prato das inevitáveis perdas pode pesar menos do que o dos possíveis ganhos. 
Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem. 
Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada. 
Parece fácil: "escrever a respeito das coisas é fácil", já me disseram. Eu sei. Mas não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado. 
Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança. 
Questionar o que nos é imposto, sem rebeldias insensatas mas sem demasiada sensatez. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar, entregar-se sem renunciar a si mesmo e à possível dignidade. 
Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for. 
E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.

sábado, 7 de abril de 2012

Piruá

Martha Medeiros no livro Doidas e Santas:

"Sabe aquele milho que sobra na panela e se recusa a virar floquinho branco, macio e alegre? Piruá. E aí tenho que concordar com o escritor Rubem Alves que já escreveu sobre o assunto: Tem MUITA gente piruá neste planeta. Gente que não reage ao calor, que não desabrocha. Fica ali, duro, triste e inútil pro resto da vida.
Não cumpre sua sina de revelar-se, de transformar-se em algo melhor. Não vira pipoca, mantém-se piruá.
E um piruá emburrado que reclama que nada lhe acontece de bom. Pois é. Perdeu a chance de entregar-se ao fogo, tentou se preservar, danou-se."

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Páscoa

O verdadeiro sentido da Páscoa é nos lembrarmos de que Jesus Cristo veio a esse mundo morrer para nos libertar da escravidão do pecado.

domingo, 25 de março de 2012

Já dizia o Mestre

Mestre do humor (e humor inteligente), mas sobretudo, mestre na arte de viver a vida. Já dizia o mestre Chico Anysio:



Mundo moderno, marco malévolo, mesclando mentiras, modificando maneiras, mascarando maracutaias, majestoso manicômio. Meu monólogo mostra mentiras, mazelas, misérias, massacres, miscigenação, morticínio – maior maldade mundial.
Madrugada, matuto magro, macrocéfalo, mastiga média morna. Monta matungo malhado munindo machado, martelo, mochila murcha, margeia mata maior. Manhãzinha, move moinho, moendo macaxeira, mandioca. Meio-dia mata marreco, manjar melhorzinho. Meia-noite, mima mulherzinha mimosa, Maria morena, momento maravilha, motivação mútua, mas monocórdia mesmice. Muitos migram, macilentos, maltrapilhos. Morarão modestamente, malocas metropolitanas, mocambos miseráveis. Menos moral, menos mantimentos, mais menosprezo. Metade morre.
Mundo maligno, misturando mendigos maltratados, menores metralhados, militares mandões, meretrizes, maratonas, mocinhas, meras meninas, mariposas mortificando-se moralmente, modestas moças maculadas, mercenárias mulheres marcadas. Mundo medíocre. Milionários montam mansões magníficas: melhor mármore, mobília mirabolante, máxima megalomania, mordomo, Mercedes, motorista, mãos… Magnatas manobrando milhões, mas maioria morre minguando. Moradia meia-água, menos, marquise.
Mundo maluco, máquina mortífera. Mundo moderno, melhore. Melhore mais, melhore muito, melhore mesmo. Merecemos. Maldito mundo moderno, mundinho merda.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Pontuação

Esse fim de semana o dever de casa da minha caçulinha foi sobre pontuação. Ela tinha que criar frases e utilizar "vírgula" " ponto e vírgula" e "ponto final". Expliquei pra ela a difereça e a função dos referidos pontos.
A vírgula é um espaço na frase, uma pausa, mas continuação do texto é certa.
O ponto e vírgula representa um espaço maior, utilizado quando precisamos aumentar a pausa.
E o ponto final representa o fim de um texto.
Após a explicação ela perguntou: Mãe, mas eles se parecem né?? Retomei a explicação utilizando exemplos e, findo o dever de casa fiquei pensando em como a pontuação se aplica à nossa vida prática.
Da mesma forma que precisamos utilizar de forma adequada a pontuação para escrevermos um texto claro, também precisamos nos valer da pontuação no decorrer da vida.
Quando as pessoas precisam usar uma pontuação, mas se valem de outra, a vida delas torna-se uma bagunça literária, uma confusão de fatos, uma mistura de verbos, na qual pouca coisa faz sentido.
Para algumas experiências usamos a vírgula. É, damos uma pausa, esperamos pra ver o que vai acontecer e, depois, seguimos em frente.
Em outras, é preciso um espaço de tempo maior para que tudo se encaixe, olha aí a vez do ponto e vírgula no nosso cotidiano. Aumentamos o espaço e verificadas as possibilidades, ou acertadas algumas questões, retomamos determinado caminho.
Mas eu acredito, vejo e percebo, que o ponto final fica bem esquecido. Talvez seja a pontuação mais necessária e a menos utilizada.
Pessoas que não sabem colocar ponto final na história arrastam problemas por anos e anos.
É sabido que há um tempo determinado para cada coisa debaixo do céu, talvez a gente demore um pouco pra entender que chegou a hora do ponto final, talvez a gente estenda um pouco a pausa, mas com um pouquinho de observação e realismo, somos capazes de entender a hora do ponto.
Quem coloca ponto final de forma adequada : sofre menos, se desgasta menos, cria menos problemas para si e não se torna cansativo.
O ponto final liberta. Encoraja. Permite novos vislumbres. Na vida, ele não finda, antes inicia uma nova fase.
Estejamos atentos ao uso da pontuação no nosso viver, quando for pra colocar fim, o façamos, mas  de verdade, enterremos o assunto, viremos a página, porque exatamente como acontece no português, não dá pra usar a vírgula e fingir que ela é um ponto final.

terça-feira, 13 de março de 2012

Pra quem brilha

Meu amigo e sócio me apresentou dia desses vídeos do padre Christian. Há inúmeros vídeos que podem ser considerados de utilidade pública,rs.
Vou compartilhar aqui um que achei singular e que confirmou uma teoria já conhecida: quando alguém tenta a todo custo te atrapalhar, diminuir, criticar, é porque no fundo, se sente profundamente incomodado com seu brilho.

quinta-feira, 8 de março de 2012

08 de Março

O primeiro ponto a ser considerada quando falamos sobre o Dia Internacional da Mulher é que durante séculos nós mulheres, fomos humilhadas, maltratadas e oprimidas. A nossa ascensão se deve a luta e a morte de muitas.
Toda data comemorativa tem por trás uma história que a origina. E a escolha do dia 08 é decorrência de um fato terrível. Em 08 de março de 1857 um grupo de tecelãs resolveu reinvidicar melhores condições de trabalho. Naquele tempo as mulheres tinham uma jornada de trabalho de aproximadamente 16 horas por dia, em locais insalubres e com salários muito inferiores aos dos homens. Na tentativa de mudar esse quadro, as operárias promoveram uma greve. A paralisação foi contida da mais forma mais brutal e cruel, elas foram trancadas dentro da fábrica e foi ateado fogo. Cerca de 130 mulheres morreram queimadas lutando por uma vida mais digna.
A partir daí o olhar do mundo se voltou para a situação que as mulheres vinham enfrentando e surgiu a luta pelos direitos das mulheres. Em 1910 a data de hoje foi escolhida como Dia Internacional da Mulher e oficializada pela ONU em 1975.
Vejo muitos homens e até mesmo mulheres dizerem que comemorar o dia mulher é uma grande bobagem e também uma forma de discriminação. Respeito, mas discordo.
Há que se ter em mente que essa data não foi estabelecida para simples homenagem, ela foi instituída com o intuito de incentivar o debate sobre o papel da mulher e os probllemas por ela enfrentados. Milhares de mulheres ainda sofrem grande discriminação e graves violências, bobagem seria fechar os olhos para esta realidade.Esse é o dia de levantarmos a bandeira em  luta pelos direitos das mulheres! 
Para mim, esse dia é o reconhecimento de que nós mulheres, com nossa garra e determinação, saímos de uma situação social de miséria e chegamos a um patamar que a maioria dos homens jamais supor que nós fôssemos alcançar.
Parabéns pra nós!!!!!!!!!!!!!!!!!

domingo, 4 de março de 2012

Guarde pra vida

SER CHIQUE SEMPRE - GLÓRIA KALIL

Nunca o termo "chique" foi tão usado para qualificar pessoas como nos
dias de hoje.

A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas.
Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou closet recheado de grifes famosas e importadas. Muito mais que um belo
carro Italiano.

O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida.

Chique mesmo é ser discreto.
Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas, nem por seus imensos decotes e nem precisa contar vantagens, mesmo quando estas são verdadeiras.

Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.

Chique mesmo é ser discreto, não fazer perguntas ou insinuações inoportunas, nem procurar saber o que não é da sua conta.

É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.

Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às pessoas que estão no elevador.
É lembrar-se do aniversário dos amigos.

Chique mesmo é não se exceder jamais!
Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.

Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.

É "desligar o radar", "o telefone", quando estiver sentado à mesa do restaurante, prestar verdadeira atenção a sua companhia.

Chique mesmo é honrar a sua palavra, ser grato a quem o ajuda, correto com quem você se relaciona e honesto nos seus negócios.

Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer, ainda que você seja o homenageado da noite!

Chique do chique é não se iludir com "trocentas" plásticas do físico... quando se pretende corrigir o caráter: não há plástica que salve grosseria, incompetência, mentira, fraude, agressão,
intolerância, ateísmo...falsidade.

Mas, para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre de o quão breve é a vida e de que, ao final e ao cabo,
vamos todos terminar da mesma maneira, mortos sem levar nada material deste mundo.


Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar e não
aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não lhe faça bem, que não seja correta.

Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour!

Porque, no final das contas, chique mesmo é Crer em Deus!

Investir em conhecimento pode nos tornar sábios... mas, Amor e Fé nos tornam humanos!

GLÓRIA KALLIL

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Who am I

Sim, eu gosto do simples. Bom humor, carinho, céu azul, sorrisos, beijo, por-do-sol, pudim de leite condensado, abraço, lua cheia, casa de amiga, cantiga de viola, praia, colo de mãe, broa de fubá, borboletas, tarde de domingo, aconchego do marido, sopro do vento, farra com os filhos.

Tenho manias. Twitter, perfeição, bolsas, conferir emails, observar crianças, ler blogs, admirar paisagens, celular, lençóis limpos, pizza, comprar lingire, shoping, conhecer novos lugares,  alcançar metas, vestido.

Não gosto. Inveja. gente sem noção, chuva, preguiça, futilidade, injustiça, funk, dor de cabeça, pirraça, jiló, preconceito.

Admito, sou viciada. Livros, danete, sapatos, jujuba.

Maior defeito? Impulsividade. Se tiver que escolher  minha melhor qualidade: bondade.

Admiro. Determinação, ousadia, elegância do comportamento, gente que faz o que fala.

Muita fé em Deus.

Estilo próprio, coragem na mochila e um amor incondicional pela vida!

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Antes de Morrer

Recebi um email hoje com o texto abaixo e fiquei MEGA FELIZ, porque graças a Deus, só preciso mudar no quesito "trabalhar muito", embora eu acredite que no inicío da carreira isso seja necessário. Aos poucos vamos delegando funções, mas a princípio temos que investir no nosso nome. No mais, me orgulho em dizer que sempre fui eu mesma, ipsis litteris, e não tô nem aí pro que pensam ao meu respeito. Sou perita em expressar meus sentimentos, até porque autenticidade também engloba essa transparência. Em contato com meus amigos s-e-m-p-r-e, só dispenso os inimigos. E me dou total permissão pra ser feliz, muito feliz, com todas as implicações que isso exige.
Segue o texto, se tiver que repensar suas atitudes, o faça o quanto antes, não sabemos o dia de amanhã...

Uma enfermeira que aconselhou muitas pessoas em seus últimos dias de vida escreveu um livro com os cinco arrependimentos mais comuns das pessoas antes de morrer.
Bronnie Ware é um enfermeira que passou muitos anos trabalhando com cuidados paliativos, cuidando de pacientes em seus últimos três meses de vida. Em "The Top Five Regrets of the Dying" ("Top Cinco Arrependimentos Daqueles que Estão Para Morrer"), ela conta que os pacientes ganharam uma clareza de pensamento incrível no fim de suas vidas e que podemos aprender muito desta sabedoria.
"Quando questionados sobre desejos e arrependimentos, alguns temas comuns surgiam repetidamente", disse Bronnie ao jornal britânico "The Guardian".
Confira a lista e os comentários da enfermeira:
1. Eu gostaria de ter tido a coragem de viver a vida que eu quisesse, não a vida que os outros esperavam que eu vivesse
"Esse foi o arrependimento mais comum. Quando as pessoas percebem que a vida delas está quase no fim e olham para trás, é fácil ver quantos sonhos não foram realizados. A maioria das pessoas não realizou nem metade dos seus sonhos e têm de morrer sabendo que isso aconteceu por causa de decisões que tomaram, ou não tomaram. A saúde traz uma liberdade que poucos conseguem perceber, até que eles não a têm mais."
2. Eu gostaria de não ter trabalhado tanto
"Eu ouvi isso de todo paciente masculino que eu trabalhei. Eles sentiam falta de ter vivido mais a juventude dos filhos e a companhia de seus parceiros. As mulheres também falaram desse arrependimento, mas como a maioria era de uma geração mais antiga, muitas não tiveram uma carreira. Todos os homens com quem eu conversei se arrependeram de passar tanto tempo de suas vidas no ambiente de trabalho."
3. Eu queria ter tido a coragem de expressar meus sentimentos
"Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos para ficar em paz com os outros. Como resultado, eles se acomodaram em uma existência medíocre e nunca se tornaram quem eles realmente eram capazes de ser. Muitos desenvolveram doenças relacionadas à amargura e ressentimento que eles carregavam."
4. Eu gostaria de ter ficado em contato com os meus amigos
"Frequentemente eles não percebiam as vantagens de ter velhos amigos até eles chegarem em suas últimas semanas de vida e não era sempre possível rastrear essas pessoas. Muitos ficaram tão envolvidos em suas próprias vidas que eles deixaram amizades de ouro se perderem ao longo dos anos. Tiveram muito arrependimentos profundos sobre não ter dedicado tempo e esforço às amizades. Todo mundo sente falta dos amigos quando está morrendo."
5. Eu gostaria de ter me permitido ser mais feliz
"Esse é um arrependimento surpreendentemente comum. Muitos só percebem isso no fim da vida que a felicidade é uma escolha. As pessoas ficam presas em antigos hábitos e padrões. O famoso 'conforto' com as coisas que são familiares O medo da mudança fez com que ele fingissem para os outros e para si mesmos que eles estavam contentes quando, no fundo, eles ansiavam por rir de verdade e aproveitar as coisas bobas em suas vidas de novo."

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Travessia

Ando numa total falta de tempo livre. Isso compremete o blog. Esperava ter tempo para escrever um texto nesse recesso, mas, não foi possível.
Sendo assim, vou compartilhar um trecho da Martha Medeiros, um pedacinho de uma crônica que li ontem a noite. É um assunto que curto muito, essa mania doida que algumas pessoas têm de serem perfeitas, em todos os aspectos. Como se isso fosse possível!!! Prefiro meu mundinho real, com altos, baixos, alegrias, problemas, ansiedades, onde tudo , uma hora ou outra se encaixa. Se você vive neurado, munindo todas as suas energias pra fingir que seu mundo é perfeito, ou lutando pra que ele seja, aí vai a dica: Caia na real, o que importa é a travessia, suas experiências, suas quedas, suas vitórias, viver é que conta. 

"Agora me diga você, que vive contraído por causa das pressões sociais, das expectativas alheias, das ideias absurdas de perfeição que foram colocadas na sua cabeça, como é que ainda não se permitiu a conquista do erro? Está aí a chave para uma vida, senão mais feliz, ao menos mais divertida. Porque é do erro que surgem novas soluções. Os desacertos nos movimentam, nos humanizam, nos aproximam dos outros, enquanto que o sujeito nota 10 nem consegue olhar para o lado, não pode se desconcentrar um minuto sob pena de ver seu mundo cair. O mundo já caiu,baby. Só nos resta dançar sobre os escombros."


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012



" E, este sorriso, e esta gratidão por tudo,
   Essa alegria gratuitas que não me largam...
   Tudo que é maravilhoso repousa em mim.
   Por isso vou cuidando pro meu coração,
   que é tão largo, ficar cada vez mais aconchegante."


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Mulheres

Ela é um fenômeno!! Linda, maravilhosa, inteligente, articulada e perfeita em que tudo que escreve!! O nome dela? Fernanda Mello. Sua última crônica digital é uma liçao de vida pra mulherada. Que cada uma ouça ou leia, olhando para si mesma e busque melhorar onde for preciso. Vale a pena conferir!!

http://fernandacmello.blogspot.com/2011/05/cronicas-digitais-mulheres-ficha.html

domingo, 29 de janeiro de 2012

Meu mundo e nada mais

A semana  é corrida e o fim de semana mais ainda!! No meio dessa agitação eu tiro um tempinho todos os dias para ler. Ontem quando chegamos da pizzaria e eu esperava todos se preparem para dormir, li duas crônicas da Martha Medeiros no livro Doidas e Santas. Uma frase chamou minha atenção:

"Pessoas com vida interessante não tem fricote." Sorri sozinha e pensei, é bem assim D. Martha.

Vida interessante é um tanto subjetivo, pra uns pode ser uma vida regada a grana e prazeres, pra outros uma vida de curtição, pra alguns  uma vida de atoice, pra mim é uma vida producente. E, realmente, quando temos uma vida de atividades e realizações não sobra tempo pra fricote.

Ando tão ocupada com meu infinito particular que fica difícil verbalizar sobre algo alheio ao meu mundinho . A mim pouco importa a cor da tinta do cabelo da minha vizinha, a cor do seu esmalte, se ela gosta de funk, de rock ou MPB.

Não faz diferença se  você, meu leitor, gosta de novela, de BBB, de programas de auditórios. Eu não gosto, mas e daí?? Sou a favor do "cada um na sua."

Pra mim dá igual se as mulheres que eu conheço se vestem bem ou mal, se usam roupa de marca, se gostam de um curtinho básico. O que eu lá tenho a ver com isso?? O mundo seria mesmo uma chatice se todos tivessem o mesmo padrão.

Eu gosto de independência, corro atrás dos meus objetivos com minhas próprias pernas.Mas tem gente que gosta de depender dos favores e  da piedade alheia para alcançar o seu alvo. Posso criticar?? De forma alguma, cada um escolhe seu caminho e colhe suas consequências. Eu gosto da batalha, outros querem o fácil. Cada um no seu quadrado.

Os maiores fricotes são justamente motivados pela vida alheia. Porque muito ser humano ainda não se deu conta que vivemos num mundo plural. A diferença do outro incomoda, tortura, impressiona.

Sim,  impressiona e muito, afinal que outro motivo poderia haver para alguém dar fricote por conta da vida alheia??

Acho que foi isso que a Martha quis dizer, quando a sua vida tá completa, está cheia de satisfações, não há tempo a perder. Aliás, se for pra dar fricote, que seja por motivo que valha a pena, a queda do prédio no RJ, o naufrágio do Costa Concórdia, a venda de sentenças, algo que esteja além da esfera privada do meu próximo. Porque vamos combinar, só mesmo quem não tem nada útil pra fazer é que se incomoda com a vida particular do outro.



quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Eis o meu lema:

"Não vamos enloquecer, nem nos matar, nem desistir. Pelo contrário: vamos ficar ótimos e incomodar bastante ainda."

2012 tá bombando bebê!!!!

domingo, 22 de janeiro de 2012

Férias!

Janeiro é mês de férias!!! Descanso, reposição de energia, reorganizaçao de ideias. Viajei, curti minha família, conheci pessoas, lugares, li, relaxei, quase não sobrou tempo pra net. Cada dia um programinha diferente.
Após dias e dias sem passar por aqui, me pergunto, falar sobre o quê??

Talvez sobre minha alegria, sobre meus novos projetos, sobre minhas satisfações, meus novos sonhos. Ou quem sabe sobre minhas aventuras, minhas risadas, meus despautérios, meus receios. Vontade de falar da leveza que invade minha alma, da paz interior, da satisfaçao pessoal.

Ando com vontade de falar sobre o quanto estou agradecida, sobre as vitórias que tive sobre mim mesma, sobre as pessoas maravilhosas que Deus tem colocado no meu caminho.

Desejo de falar que a vida é maravilhosa e que ser feliz é muito simples e que ultimamente tenho achado tudo lindo!!!

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Dica de Leila Ferreira

"Risque do seu Aurélio a palavra perfeição. O dicionário das mulheres interessantes inclui fragilidades, inseguranças, limites. Pare de brigar com você mesma para ser a mãe perfeita, a dona de casa impecável, a profissional que sabe tudo, a esposa nota mil. Acima de tudo, elimine de sua vida o desgaste que é tentar ter coxas sem celulite, rosto sem rugas, cabelos que não arrepiam, bumbum que encara qualquer biquíni. Mulheres reais são mulheres imperfeitas. E mulheres que se aceitam como imperfeitas são mulheres livres. Viver não é (e nunca foi) fácil, mas, quando se elimina o excesso de peso da bagagem (e a busca da perfeição pesa toneladas), a tão sonhada felicidade fica muito mais possível.” 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Início

Eu gosto de falar de começo de ano simplesmente por tratar-se de início.
Início é principiar algo que a gente não sabe como será. É mistério, é porvir.
Há expectativas, há ideias, há projetos, há intenções e são tantas, há dúvidas,
há vozes, há desejos. Há muita coisa, mas nada é concreto.
A única certeza é que estamos vivos neste exato minuto. Amanhã? não se sabe.
Por isso  inicío de ano é tempo de dizer aquilo que ainda não foi dito.
É momento de permitir-se, de se empenhar, de sonhar alto, de velejar.
É hora de querer, de traçar o caminho, de se entregar.
Início é entender que só temos uma opção, viver! Com todas as
implicações nele contidas.
Nós nao sabemos ao certo como serão os próximos 365 dias. Pode dar tudo certo, pode ter um 
milhão de problemas, pode ser só alegrias, mas também pode ter decepção. Pode ser um ano de leveza,
de tranquilidade, mas pode ter intempéries. Pode ser que no próximo reveillon estaremos festejando novamente junto com nossos familiares, mas pode ser que a vida nos tire alguém, ou pode ser que a gente se vá. Vai saber...
Diante de tanto mistério, não dá pra formular muito, não dá pra perder tempo, a gente tem é que viver, e muito!
Apreciar a natureza, sentir o sol, observar a chuva, andar no mar, assistir ao por do sol, olhar a lua.
Analisar os filhos dormindo, correr para o quarto deles quando tossem na madrugada, conferir se estão cobertos, perceber se estão felizes, se brigaram na escola, se precisam de mais afeto, de correção...
Dizer eu te amo em larga escala: pros pais, irmaos, marido, filhos, amigos. Dizer tudo que o coração guarda , seja lá o que for e pra quem quer que seja. 
Ler bons livros, ouvir músicas,visitar a caixinha das boas memórias, fazer aquela viagem, sorrir sozinho, se dar alguns sapatos de presente, bolsas também , ah e umas roupinhas pra não perder o costume.
Quebrar a cara, dizer não, lutar por uma boa causa, investir em um sonho.
Agradecer, sorrir, ser gentil, batalhar, ter insônia, fazer dieta, frequentar a academia, começar um novo curso, desistir de outro, sair, curtir, chorar.
Porque no início a gente só sabe uma coisa, que definitivamente não dá pra saber como vai ser, então o jeito é viver de corpo e alma, é ser inteiro, se doar pra vida, e esperar acontecer!