sábado, 27 de dezembro de 2014

Dois mil e quatorze: o ano da libertação!

Para uma pessoa comum, 2014 seria um ano para esquecer. Mas, não para mim, uma incomum assumida.
Como filha do Deus vivo acredito que tudo em nossa vida tem um propósito, nada acontece por vontade do acaso, não na minha vida. Para mim, não existem coincidências e sim providências Divinas.
Este foi um ano difícil, do início ao fim. Enfrentei problemas de toda ordem: financeiro, familiar, emocional, espiritual, saúde, perda de entes queridos. Você pode pensar, então de fato é um ano para esquecer, mas eu te mostrarei que não, que no fundo 2014 é um ano para agradecer.
Dois mil e quatorze foi o ano em que Deus atentou para um pedido que vinha lhe fazendo há muito tempo; libertação! Às vezes, para nos libertar Ele tem que nos deixar enfrentar algumas situações delicadas, mas o agradecimento vem aí: Ele não nos deixa só! Para os problemas financeiros, Deus proveu os meios. Para os problemas espirituais, Ele enviou a solução.Para a saúde, fortalecimento. Para os problemas familiares, Ele trouxe restauração.Para as perdas, Ele assegurou o consolo. Para as questões emocionais, Ele proveu a paz. Deus é tremendo e não desampara seus filhos.
Tenho também muitos outros motivos para agradecer.
Em 2014, meus pais e irmãs conseguiram ser ainda mais maravilhosos do que sempre são. Nada muda o nosso amor, nosso companheirismo e nossa união.
Em 2014, meus filhos foram uma benção e tenho que agradecer muuuuuito a Deus porque é nos momentos difíceis que vemos como uma boa educação e o vínculo que criamos com nossos herdeiros fazem toda diferença! 
Em 2014, meus amigos foram ainda mais incríveis. Eu arrisco dizer que foram anjos. Eu agradeço sempre porque tenho amigos muito especiais MESMO. Sempre ao meu lado pro que der e vier!
Em 2014, meu marido mostrou o que sempre digo: que ele é um homem maravilhoso! Homem com H maiúsculo e com um amor inigualável por mim.  Te amo meu bem, obrigada por tudo. Ah Deus, como te agradecer?
Em 2014, minha família da fé foi o instrumento usado por Deus para me mostrar seu amor. a família espiritual me tratou como Jesus tratava as pessoas. Agradeço todo o apoio, carinho, respeito, presentes, bilhetinhos carinhosos, mensagens de incentivo, visitas e, sobretudo, orações. 
Preciso ainda agradecer a Deus por ter colocado em mim um coração misericordioso e a virtude de tratar igualmente todas as pessoas, de compreendê-las, de aceitá-las. O tratamento que dei, recebi. Isso foi um presente dos céus!
Dois mil e quatorze é um ano para agradecer, para agradecer imensamente, porque eu sei que tudo foi uma mãozinha Divina para ajustar os ponteiros da minha vida que precisavam de reparos.
Para Dois mil e Quinze um verso bíblico que gosto muito:" Deixando as coisas que para trás ficam, prossigo para o alvo a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus." Sigo com a certeza de que a minha vida é conduzida pelo Deus Oniponte, Onisciente e Onipresente, o que tudo sabe, para o qual nada é impossível e que tem o maior interesse na minha vida. Isso significa que 2015 trará o que Ele entender que é bom pra mim e Ele quer sempre o melhor para seus filhos.
Para vocês que me acompanham eu desejo um Ano repleto de bençãos. Que o amor e a bondade sejam a essência, que Jesus seja a luz da sua vida e que você seja luz na vida de outros.
Então, vamos lá: ANO NOVO, VIDA NOVA!!!!!!!!




quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal

A todos os que me acompanham desejo um Natal repleto de paz, amor, solidariedade, respeito, perdão, fé, bondade.

 E, mais, desejo que não apenas em dezembro mas no decorrer do ano ano novo que se aproxima esses nobres sentimentos sejam reais na vida de vocês.

Um Natal abençoado!



sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Manoel de Barros

Um dos meus poetas preferidos.
Sensibilidade pura! 
Descansa poeta, suas palavras se eternizam em nós.  


quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Proteção Divina para todos nós!

🎶 Senhor eu começo esse novo dia fazendo essa oração: me ajuda na luta da vida, me dá força e proteção.
Eu sei que esse dia vai ser difícil, por isso quero pedir, paciência e amor na batalha e a vontade de servir. 

Senhor eu te peço por meus queridos, que eles sintam tua mão, ajudando na batalha, dando força e proteção. 
Acima de tudo eu te peço: retira o mau do meu ser. Que eu seja um exemplo de Cristo no silêncio do meu viver. 🎶




domingo, 21 de setembro de 2014

Happy

Aos 3 anos sofri um acidente, fiquei entre a vida e a morte: mas sobrevivi!
Aos 6  fui acometida por uma anemia profunda, quadro crítico, risco de morte: sobrevivi!
Aos 13 um acidente, uma fratura exposta, duas anestesias gerais, uma cirurgia: sobrevivi! 
Aos 18 uma infecção de garganta mal cuidada se espalhou pelo meu sangue, quadro crítico: sobrevivi! 
Aos 35 um acidente de carro, sem cinto de segurança, 4 carros envolvidos: sobrevivi! 
Percebem? Deus sempre cuidou da minha vida de uma forma linda! E mais, Ele me presenteou com os melhores pais, irmãs perfeitinhas, um marido maravilhoso, filhos abençoados, os melhores amigos a nível planetário, uma carreira bem sucedida, inúmeras vitórias e realizações.  Eu tenho MUITO, muito mesmo a agradecer. Obrigada Senhor por esses 37 anos de vida e VIDA em ABUNDÂNCIA!!!! A Ti toda minha gratidão! 
Recebi parabéns de todos os cantos do mundo!!! #nãotempreço

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Lya Luft

Hoje, Aniversário dessa maravilhosa escritora e poetisa. Nada melhor que um trecho dela:
" Parece longo e complicado o caminho para uma relativa harmonia entre nós, habitantes do planeta que em tantas coisas se moderniza, onde arte, ciência, tecnologia produzem maravilhas: o ser humano em alguns aspectos continua primitivo."



quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Só Love






                                                       O nosso amor tem brilho!


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Setembro, seu lindo!

Ele chegou com todo seu esplendor! 
Setembro, lindo, leve, perfumado,encantador! 
É um presente ter nascido nesse mês!


segunda-feira, 21 de julho de 2014

Paz Interior

"Desenvolver força, coragem e paz interior demanda tempo. Não espere resultados rápidos e imediatos, sob o pretexto de que decidiu mudar.
Cada ação que você executa permite que essa decisão se torne efetiva dentro de seu coração."
Dalai Lama


segunda-feira, 7 de julho de 2014

Plantar e colher

"Se você quer mudar os frutos, primeiro precisa mudar as sementes. É o invisível que produz o visível. " 

Só escolhemos o que plantar, a colheita é mera consequência. Pode parecer simplório, mas muita gente não calcula as dimensões planetárias que a semeadura pode tomar. Há que se ter cautela, objetivo definido e firmeza de propósito. Só assim a gente cheg onde quer. 

terça-feira, 10 de junho de 2014

É bom saber que escolhi a profissão adequada para mim.
Eu não seria realiazada se meu mundo profissional se resumisse a algo estático.
Não me adaptaria a rotina de acordar todos os dias no mesmo horário, me dirigir para o mesmo ambiente, conviver com as mesmas pessoas, sair do trabalho no mesmo horário e pior seria se eu nunca contribuísse para melhorar a vida de alguém.
O Direito é , sem sombra alguma de dúvida, a decisão mais acertada que já tomei. 
Advogar é estar em pleno movimento. Tudo é mutável e imprevisível. Um dia se está no escritório, outro em reuniões externas, almoço com clientes, fórum, audiências e atendimentos em outras cidades. É tudo dinâmico, instigante. 
E, por fim, o resultado do seu trabalho é uma contribuição para a vida de alguém. 
Pensando nisso enquanto volto de Diamantina/MG, onde estive realizandi uma audiência que significou um divisor de águas na vida da minha cliente. 






quinta-feira, 5 de junho de 2014

Ando sumida, mas é por bons motivos!
De passo em passo alcançando meus objetivos. Publicando e aprrsentando em Congressos e em agosto professora de urbanismo na UFMG.


quinta-feira, 22 de maio de 2014

Por Vinicius de Moraes

"E depois tem a questão de ter paciência 
Não se deixar levar, estar preparado e ao mesmo tempo certo 
De que ainda é possível... E depois 
Tem a questão de resolver, de não parecer que, e ao mesmo tempo de ter que... 

E depois tem a questão do não-obstante, do prurido, da válvula
Tem a questão do conhecimento, do ementário
Sem falar na questão importantíssima do...
E depois tem a questão do é-preciso, do meu-caro, do pois-é
Dos canais competentes, dos compartimentos estanques, dos memorandos

E depois tem a questão talvez precária do encontro
E do desencontro, do entendido e do mal-entendido, do lucro
E do desdouro; e depois tem a questão
Da finura, da delicadeza e da firme delicadeza e das duas delicadezas."




segunda-feira, 28 de abril de 2014

Paisagem Cultural - Vat Phou

(Da série: Coisas interessantes que  descubro no mestrado)

Vat Phou é considerado um dos mais antigos sítios arqueológicos no Laos. Fica no distrito de Champassak ás margens do rio Mekong no sudoeste da Ásia.






É um complexo que envolve templos, tanques de água, altares, santuários, esculturas.







As origens do local estão ligadas ao desenvolvimento e apogeu do império Khmer. Há indicios arqueológicos de que o primeiro templo foi construído no seculo V, mas a maioria dos monumentos do local datam do século XI ao XIII. Originalmente era um templo hindu, mas  foi substituído pelo budismo.


O Vat Phou é uma grande expressão da paisagem simbólica com significado espiritual e foi planejada para expressar a visão hindu da relação entre a natureza e a humanidade. Foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 2002.




segunda-feira, 21 de abril de 2014

Faça o bem.

Simples, direto e perfeito.




Sem debates insanos

Discutir, debater, argumentar, verbos que podem ser usados de forma proveitosa ou destrutiva.
É certo que não há conhecimento sem que haja reflexão sobre os argumentos propostos, mas o grande problema da nossa era que os seres humanos se empenham em debates insanos.
A maioria das pessoas não quer discutir opiniões e sim impô-las.
Argumentos são na verdade convicções pessoais que as pessoas querem fazer valer.E nisso os homens se consomem. Amizades são desfeitas, brigas de trânsito terminam em morte,
filhos e pais criam abismos, casais se ferem, colegas de trabalho se magoam. Tudo porque cada um quer impor sua verdade, defendê-la, muitas vezes até a morte.
E pra quê?? Onde isso nos leva?
A lugar algum...
Houve um tempo em que tive essa necessidade de pontuar minha versão sobre os fatos, defender meu ponto de vista. Foi um tempo de desgastes tolos. Com o tempo aprendi que inteligência emocional só faz sentido se a exteriorizamos, a partir de então passei a relevar o outro.
Não faz sentido a opinião alheia influenciar minha vida, meus atos, minha maneira de agir.
Se o outro discorda da minha visão dos fatos, o que isso importa?
Aprendi que o importante são as relações. Essas sim são relevantes.
Sabe aquela aquela velha colocação: ter paz ou ter razão??/
Pois é, ter paz é infinitamente melhor.
Por um mundo sem debates insanos, nos esforcemos nisso.



terça-feira, 15 de abril de 2014

Descubra!

A mesmice é o mal dos que vivem estagnados.
Para ir além é preciso fazer novas descobertas frequentemente.
Felicidade é movimento. Experimente, saia do lugar, mexa-se!



sábado, 5 de abril de 2014

Desacelerar é preciso

Minha filosofia de vida é: buscar algo bom em qualquer coisa que aconteça. Estou com dengue, pela segunda vez. É realmente péssimo. Mas, tem uma coisa boa: tenho tempo livre! Vai dar até para escrever no blog, coisa que não consigo fazer há dias. 
Li agora a notícia sobre o José Wilker. Considerava ele um ícone, um debatedor da situaçao humana, uma alma poética e uma voz encantadora. Vítima de infarto fulminante. 
Na última semana, dois conhecidos morreram vítimas desse mesmo mal. A diferença é que eram bem mais novos. Fico pensando: Será que esse aceleramento da vida tem influenciado na ocorrência de infartos fulminantes? 
Está tudo rápido demais, o dia a dia exige demais de nós, nos desgastamos muito, repousamos pouco, nos estressamos demais, relaxamos de menos. 
Talvez seja a hora de como disse Rubem Alves , aprender com os caracóis. 
Se você nunca leu " a pedagogia dos caracóis" vale a pena conhecer. Divido com vocês um trechinho.

"Mamãe, os professores dizem 'É preciso andar rápido, nada de vagareza, para frente, para frente. Mamãe, onde é a frente?". E aí ele passa a falar sobre a virtude pedagógica da vagareza. Pode ser que "chegar na frente" não seja tão importante assim! Quem sabe o "estar indo" seja mais educativo do que chegar.
No estar indo aprende-se um jeito de ser. 
Nietzsche se ria dos turistas que subiam as montanhas como animais, estúpidos e suados. Não haviam aprendido que há vistas maravilhosas no caminho que sobe... Riobaldo acrescentaria: "O real não está nem na saída e nem na chegada; ele se dispõe para a gente é no meio da travessia.A lentidão é virtude a ser aprendida num mundo em que a vida corre ao ritmo das máquinas. "

Acredito que precisamos desacelerar. Curtir a travessia. Se demorar nos detalhes. Ou diminuímos o passo ou encurtamos a vida. 

quinta-feira, 27 de março de 2014


Aumentando o conhecimento  e cada dia mais vendo o mundo com olhares mais amplos.
Lindo isso, sabia? Lindo e mágico!


sexta-feira, 21 de março de 2014

Arte Sacra

" Encanto intelectual, claro, mas também sensibilidade: as obras antigas fascinam por suas dimensões, por seu refinamento e a maestria de sua execução, pela riqueza de seus materiais."


Teto da Igreja do Rosário em Sabará/ MG. Essa igreja foi idealizada e construída pelos negros para que pudessem cultuar. O teto foi  Pintado  com urucum, açafrão e sangue de boi. Fixado com extrato de óleo de Jatobá. 

terça-feira, 18 de março de 2014

Pensando a Cidade




 Vida de mestranda...

" Fechemos o s olhos e deixemos nossa imaginação andar pela cidade. O que vemos? Inicialmente o perceptível é o concretamente visível: prédios, casas, ruas. Bairros que se sucedem de forma diferenciada, pois são desiguais entre si. Na grande metrópole podemos falar da favela,  dos bairros de classe média, dos bairros arborizados de onde se vislumbram grandes muros rodeando mansões. Mas também podemos recordar que existe o boteco da esquina, a padaria, o supermercado, a vendinha, o clube, alguns prédios industriais de vários tamanhos e estilos, bancos, etc.
Podemos também perceber que essas construções são são iguais do ponto de vista arquitetônico, datam de tempos diferentes. Há bairros mais novos e mais velhos. Há prédios de pastilha, outros envidraçados. A dimensão de vários tempos está impregnada na paisagem da cidade. Por outro lado, não podemos deixar de pensar ainda, com os olhos fechados, que existe todo um movimento próprio à paisagem, um vai e vem, de carros e pessoas (apressadas ou não). É o ritmo da vida. O modo de expressão da vida na cidade. Ruídos diversos."

segunda-feira, 10 de março de 2014

Meu mundo...

... na inspiração de Caio Fernando Abreu:

"Não sou pra todos.
Gosto muito do meu mundinho.
Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas.
Às vezes tem céu azul, outras tempestade.
Lá dentro cabem  sonhos de todos os tamanhos.
Mas não cabe muita gente.
Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso. São necessárias."


terça-feira, 4 de março de 2014

Sorriso por José Saramago

Neste recesso viajei, descansei, me diverti, e claro, li!
E há trechos que não dá para simplesmente ler, são tão sublimes que a gente tem que compartilhar.



Sorriso, diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos.

O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os
dias, elas nos envolvem.

Não há dois sorrisos iguais. Temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre. E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso.

O Sorriso (este, com maiúsculas) vem sempre de longe. É a manifestação de uma sabedoria profunda, não tem nada que ver com as contracções musculares e não cabe numa definição de dicionário. Principia por um leve mover de rosto, às vezes hesitante, por um frémito interior que nasce nas mais secretas camadas do ser. Se move músculos é porque não tem outra maneira de exprimir-se. Mas não terá? Não conhecemos nós sorrisos que são rápidos clarões, como esse brilho súbito e inexplicável que soltam os peixes nas águas fundas? Quando a luz do sol passa sobre os campos ao sabor do vento e da nuvem, que foi que na terra se moveu? E contudo era um sorriso.




sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

#Ficaadica

É preciso saber o básico. Saber o essencial já mudaria a vida de muita gente. Antes de correr atrás dos objetivos grandes, das realizações de grande monta, olhe para seu interior e veja se você está preparado para ir além. Comece organizando seu anterior, ordenando suas emoções, se desfazendo dos maus sentimentos, lançando fora os maus hábitos. Atualmente, sem inteligência emocional não se chega a lugar algum.



quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Tempo, uma dádiva

Esse texto riquíssimo me foi apresentado no curso de docência superior que realizo na UFMG. É brilhante!!!!!

Texto: Administrar o tempo é planejar a vida*
Eduardo O. C. Chaves**
Geralmente quem escreve sobre administração do tempo não o faz porque seja especialista na questão, mas, sim, porque quer aprender mais sobre o assunto. Pelo menos foi esse o meu caso. Vou relatar aqui algumas de minhas descobertas.
1) Administrar o tempo não é uma questão de ficar contando os minutos dedicados a cada atividade: é uma questão de saber definir prioridades. Provavelmente (numa sociedade complexa como a nossa), NUNCA vamos ter tempo para fazer tudo o que precisamos e desejamos fazer. Saber administrar o tempo é ter clareza cristalina sobre o que, para nós, é mais prioritário, dentre as várias coisas que precisamos e desejamos fazer - e tomar providências para que essas coisas mais prioritárias sejam feitas, sabendo que as outras provavelmente nunca vão ser feitas (mas tudo bem: elas não são prioritárias).
2) Dentre as coisas que vamos listar como prioritárias, algumas estarão ali porque nos são importantes, outras porque são urgentes. Imagino que algo que não é NEM importante NEM urgente não estará na lista de ninguém. E também sei que na lista de todo mundo haverá coisas que são IMPORTANTES E URGENTES. Não resta a menor dúvida de que estas coisas devem ser feitas imediatamente, ou, pelo menos, na primeira oportunidade. Poucas pessoas questionarão isso. O problema surge com coisas que consideramos importantes, mas não urgentes, e com coisas que são urgentes, mas às quais não damos muita importância.
3) Digamos que você considere importante ficar mais tempo com sua família. Por outro lado, você tem que trabalhar x horas por dia. Se o seu trabalho é mais importante do que ficar com a sua família, o problema está resolvido: você trabalha, mesmo que isso prejudique a convivência familiar. Mas e se o trabalho não é mais importante para você do que a convivência familiar? Neste caso, provavelmente o trabalho é urgente, no sentido de que tem que ser feito, pois doutra forma você vai ser despedido (ou perder clientes, se for autônomo ou empresário) e vai ter dificuldades para manter sua família (embora, sem trabalho, provavelmente vai poder passar mais tempo com ela…). Aqui o conflito é entre o importante e o urgente - e é aí que a maior parte de nós se perde, e por uma razão muito simples: algumas das tarefas que temos que realizar não são selecionadas por nós, mas nos são impostas. Isto é: não somos donos de todo o nosso tempo. Não temos, em relação ao nosso tempo, toda a autonomia que gostaríamos de ter. Quando aceitamos um emprego, estamos, na realidade, nos comprometendo a ceder a outrem o nosso tempo (e, também, o nosso esforço, a nossa capacidade, o nosso conhecimento, etc.). Este é um problema real e de solução difícil: não somos donos de boa parte de nosso tempo.
4) Acontece, porém, que geralmente usamos mal o tempo que dedicamos ao trabalho (e, por isso, temos que fazer hora extra ou trazemos trabalho para casa), ou mesmo o tempo que passamos em casa. Usar mal QUER DIZER que muitas vezes usamos o nosso tempo para fazer o que não é nem importante nem urgente, mas apenas algo que sempre fizemos, pela força do hábito. Alguém me disse, quando eu era criança, que a gente nunca deveria abandonar a leitura de um livro, por pior que ele fosse. Que bobagem! Mas quanto tempo desperdicei terminando de ler coisa que de nada me serviu por causa desse conselho! Uma vez me peguei dizendo à minha família que não poderia fazer algo (não me lembro o quê) domingo de manhã porque precisava ler os jornais. Eu lia, religiosamente, a Folha e o Estado aos domingos de manhã. Lia por hábito. Achava que um professor tem que se manter informado. Mas quando disse que "precisava" ler os jornais me dei conta de que realmente não precisava lê-los. O que é de pior que poderia me acontecer se eu não lesse os jornais, me perguntei. NADA, foi a resposta que tive honestamente que dar. Se houver algo importante nos jornais provavelmente fico sabendo no noticiário da TV, ou na VEJA. Mas daí me perguntei: e preciso ler a VEJA todas as semanas? Resposta: não. Existe algo que eu prefiro ler/fazer naquelas manhãs de domingo que ganhei? Claro, muitas coisas - PARA AS QUAIS EU ANTES NÃO TINHA TEMPO. Ganhei as horas dos jornais, ganhei as horas da VEJA, fui ganhando uma horinha aqui outra ali, para as coisas que eu realmente queria fazer há muito tempo e não achava tempo…
5) Administrar o tempo é ganhar autonomia sobre a sua vida, não é ficar escravo do relógio. É uma batalha constante, que tem que ser ganha todo dia. Se você quer ter a autonomia de decidir passar mais tempo com a família, ou sem fazer nada, você tem que ganhar esse tempo deixando de fazer outras coisas que são menos importantes para você. Em última instância pode ser que você até tenha que, eventualmente, arrumar um outro emprego ou uma outra ocupação.
6) O tempo é distribuído entre as pessoas de forma bem mais democrática que muitos dos outros recursos de que nós dependemos (como, por exemplo, a inteligência). Todos os dias cada um de nós recebe exatamente 24 horas (a menos que seja o último dia de nossas vidas): nem mais, nem menos. Rico não recebe mais do que pobre, professor universitário não recebe mais do que analfabeto, executivo não recebe mais do que operário. Entretanto, apesar desse igualitarismo, uns conseguem realizar uma grande quantidade de coisas num dia - outros, ao final do dia, têm o sentimento de que o dia acabou e não fizeram nada. A diferença é que os primeiros percebem que o tempo, apesar de democraticamente distribuído, é um recurso altamente perecível. Um dia perdido hoje (perdido no sentido de que não realizei nele o que precisaria ou desejaria realizar) não é recuperado depois: é perdido para sempre.
7) Há os que afirmam, hoje, que o recurso mais escasso na nossa sociedade não é dinheiro, não são matérias primas, não é energia, não é nem mesmo inteligência: é tempo. Mas tempo se ganha, ou se faz, deixando de fazer coisas que não são nem importantes nem urgentes e sabendo priorizar aquelas que são importantes e/ou urgentes.
8) Quem tem tempo não é quem não faz nada: é quem consegue administrar o tempo que tem de modo a poder fazer aquilo que quer.
9) Por outro lado, ser produtivo não é equivalente a estar ocupado. Há muitas pessoas que estão o tempo todo ocupadas exatamente porque são improdutivas - não sabem onde concentrar seus esforços e, por isso, ciscam aqui, ciscam ali, mas nunca produzem nada. Ser produtivo é, em primeiro lugar, saber administrar o tempo, ter sentido de direção, saber aonde se vai.
10) Administrar o tempo, em última instância, é planejar estrategicamente a nossa vida. Para isso, precisamos, em primeiro lugar, saber aonde queremos chegar (definição de objetivos). Onde quero estar, o que quero ser, daqui a 5, 10, 25, 50 anos? O segundo passo é começar a estrategiar: transformar objetivos em metas (com prazos e quantificações) e decidir, em linhas gerais, como as metas serão alcançadas. O terceiro passo é criar planos táticos: explorar as alternativas específicas disponíveis para se chegar aonde queremos chegar, escolher fontes de financiamento (emprego, em geral, é fonte de financiamento), etc. Em quarto lugar, fazer o que tem que ser feito. Durante todo o processo, precisamos estar constantemente avaliando os meios que estamos usando, para verificar se estão nos levando mais perto de onde queremos vamos querer estar ao final do processo. Se não, troquemos de meios (procuremos outro emprego, por exemplo).
11) Mas tudo começa com uma verdade tão simples que parece uma platitude: se você não sabe aonde quer chegar, provavelmente nunca vai chegar lá - por mais tempo que tenha.

12) Quando o nosso tempo termina, acaba a nossa vida. Não há maneira de obter mais. Por isso, tempo é vida. Quem administra o tempo ganha vida, mesmo vivendo o mesmo tempo. Prolongar a duração de nossa vida não é algo sobre o qual tenhamos muito controle. Aumentar a nossa vida ganhando tempo dentro da duração que ela tem é algo, porém, que está ao alcance de todos. Basta um pouco de esforço e determinação

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Pausa

A maioria de nós sabe bem o que é uma vida agitada. Família, Trabalho, estudo, casa, atividades religiosas, compromissos sociais. Nos viramos em mil para cumprir tudo satisfatoriamente. E pra não enlouquecer eu adoro uma dica da Leila Ferreira transmitida no livro Viver não dói : "uma pausa  numa vida que não tem tido pausas. " 
Super funciona, recarrega as energias! 

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

No céu...




"A mãe sempre dizia:
menina olha onde pisa.
mas ela insistia em andar olhando pro céu,
morar nas nuvens,
sentir respingos de estrela.
hoje nem sei
deve ter virado pipa."


Renata Fagundes